A+ / A-

Palácio de Mafra. “Um problema muito antigo que começou em 2004”

08 mar, 2018 - 11:01

Foi interditada a circulação pedonal em frente às torres para evitar acidentes decorrentes da queda de sinos ou outras estruturas devido ao mau tempo.
A+ / A-

“Foi ativado um plano de contingência para proteger as pessoas contra eventuais quedas de elementos que se possam desprender”, confirma à Renascença o diretor do Palácio Nacional de Mafra. Mário Pereira fala de um “problema muito antigo que começou em 2004”.

Desde essa data que há sinos presos por andaimes. A situação foi-se arrastando, ao ponto de agora ser necessário interditar a circulação de pessoas na zona frontal do monumento.

O diretor revela que a obra está adjudicada, mas a burocracia impediu, até agora, que fosse reposta a segurança. “Nós temos já um contrato assinado, desde o ano passado, com uma empresa para intervencionar os carrilhões”.

Mas segundo Mário Pereira, “há toda uma tramitação burocrática que está a decorrer”, sobretudo quando as verbas não são da própria Direção-Geral do Património Cultural.

Contactada pela Renascença, a DGPC esclarece que a adjudicação foi feita em Outubro de 2017 e, que o facto de “ter mudado o ano económico” obriga a mais alguns procedimentos administrativos, antes de existir o necessário visto do Tribunal de Contas.

Em 2013, os sinos e carrilhões de Mafra foram considerados um dos 'Sete sítios mais ameaçados na Europa', pelo movimento de salvaguarda do património Europa Nostra.

A sua recuperação é considerada urgente por haver sinos presos por andaimes desde 2004, situação que é monitorizada com periodicidade pelos técnicos da DGPC e outros especialistas.

O escoramento dos sinos, alguns deles a pesar 12 toneladas, tem sido usado como solução provisória para garantir a sua segurança e das estruturas de suporte, em madeira, que estão apodrecidas, assim como das pessoas que circulam frente ao palácio.

Os dois carrilhões e 119 sinos que marcam as horas e os ritos litúrgicos constituem o maior conjunto sineiro do mundo, sendo, a par dos seis órgãos históricos e da biblioteca, o património mais importante do palácio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.