O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Liga Portugal

"E-toupeira". Proença pede tempo para justiça atuar

07 mar, 2018 - 19:39

Presidente da Liga Portugal reage ao processo que envolve o assessor jurídico da SAD do Benfica.
A+ / A-

O presidente da Liga Portugal expressou o desejo, esta quarta-feira, de que justiça atue no que diz respeito ao processo "e-toupeira", que envolve o assessor jurídico da SAD do Benfica, Paulo Gonçalves.

À saída de uma Cimeira de Presidentes de clubes das Primeira e Segunda ligas, em Coimbra, Pedro Proença não se alongou em comentários mas sempre adiantou que é necessário inocentar quem a esse estatuto tenha direito.

"Sobre todos os temas jurídicos, o que peço é que a justiça faça o seu trabalho e deixe de lado quem é inocente", referiu, de forma célere.

O assessor jurídico da SAD do Benfica, Paulo Gonçalves, foi detido ontem por suspeitas de corrupção ativa.

Em causa está uma rede alegadamente montada pelo dirigente encarnado junto do sistema judicial para recolher informações de processos que decorrem no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa sobre o clube e também relativos a clubes adversários.

Paulo Gonçalves, que foi hoje presente a um juiz, é suspeito de distribuir prendas a funcionários judiciais para obter informações de processos.

SAD do Benfica pode ser constituída arguida

Ora, ao que a Renascença apurou, a Benfica SAD pode também ser constituída arguida.

A decisão não foi ainda tomada, mas os investigadores não descartam essa possibilidade, caso venham a obter indícios suficientes de que Paulo Gonçalves agiu no interesse do Benfica.

A hipótese está em aberto desde que a operação foi planeada e continua em cima da mesa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.