O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

“Os Verdes” contra novo abate de árvores em Sintra-Cascais

24 fev, 2018 - 00:58

A divulgação, em março de 2017, da marcação de cerca de 1.350 árvores para corte na serra de Sintra motivou a contestação de deputados, associações ambientalistas, cidadãos e autarcas.
A+ / A-

O grupo parlamentar do Partido Ecologista 'Os Verdes' questionou o Ministério do Ambiente sobre se está informado da "nova intenção de abate de árvores" no Parque Natural de Sintra-Cascais pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O deputado José Luís Ferreira entregou na Assembleia da República, na sexta-feira, uma pergunta ao Governo sobre a "intenção de abate de árvores no Parque Natural de Sintra-Cascais, em área classificada pela UNESCO" como património mundial, informou uma nota do grupo parlamentar de "Os Verdes".

O partido ecologista verificou recentemente "a existência de uma nova marcação de árvores para abate" ao longo da Estrada Nacional (EN) 9-1 e na ligação com a Lagoa Azul e os Capuchos, após a intenção do ICNF, no ano passado, "de abater mais de um milhar de árvores na mesma zona".

Entre as iniciativas promovidas por 'Os Verdes, em relação a um abate "cujos impactos negativos são enormes, nomeadamente sobre a paisagem classificada pela UNESCO", foi solicitada a audição do presidente do ICNF na comissão parlamentar de Ambiente e Ordenamento do Território.

"Passado perto de um ano, e depois da devastação que ocorreu na floresta portuguesa com os incêndios, nomeadamente na floresta pública, com a perda do pinhal de Leiria, o ICNF volta a marcar novamente um conjunto muito significativo de árvores para abate", notou o partido.

Para 'Os Verdes' é fundamental que, "na gestão florestal do Parque Natural de Sintra-Cascais, as preocupações de proteção e conservação da biodiversidade, da paisagem e do ambiente prevaleçam sobre todo e qualquer outro critério", nomeadamente economicistas e das necessidades de financiamento do ICNF.

O corte de arvoredo, além do impacto sobre a paisagem e a biodiversidade, "irá colocar a floresta remanescente numa situação de maior fragilidade aos incêndios, sendo que predominam no sub-coberto vegetal da zona espécies invasoras, como é o caso das acácias".

Nesse sentido, José Luís Ferreira questionou o ministro João Matos Fernandes acerca do "número exato de árvores marcadas", de "quando está previsto o abate" e que razões justificam a intervenção "numa área classificada pela UNESCO".

O deputado quer ainda saber se "existe algum relatório técnico fitossanitário e de impacto ambiental" que justifique a intervenção e se a área possui algum Plano de Gestão Florestal.

O partido questiona também se o Ministério do Ambiente, "depois dos impactos dramáticos dos incêndios" de 2017, não considera que "tudo deve ser feito para preservar a área de floresta pública existente".

A divulgação, em março de 2017, da marcação de cerca de 1.350 árvores para corte na serra de Sintra motivou a contestação de deputados, associações ambientalistas, cidadãos e autarcas.

Segundo um recente relatório do Serviço Municipal de Proteção Civil de Sintra, já divulgado pela Lusa, o ICNF prevê "a remoção" de 307 pinheiros (299 verdes e oito exemplares arbóreos secos), 30 cedros e 33 acácias, em áreas sob a sua gestão direta.

A intervenção, no território de Sintra, está prevista numa faixa de 1,7 quilómetros na EN 9-1 e de 364 metros na estrada florestal entre a Malveira e o cruzamento da Portela, sem contar com cortes no município de Cascais.

O corte de arvoredo enquadra-se no âmbito da Defesa da Floresta Contra Incêndios e o ICNF "pretende criar uma faixa de segurança na vertente sul da serra de Sintra", lê-se no documento da Proteção Civil de Sintra, que mereceu a concordância do presidente da autarquia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mª Emília Carlos
    24 fev, 2018 14:08
    Só convido a que leiam a Comunicação do Ministério da administração Interna e do Ministério da Agricultura, Floresta e Desenvolvimento Rural. A Obrigatoriedade do abatimento de árvores a menos de 5 metros de casa terá algum sentido? pense-se nos pequenos quintais! É para abater 2 ou 3 árvores de fruto ou de jardim que um pequeno quintal tenha?! Não será uma lei de mero gabinete? E com ameaça de coima!