O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

UGT critica diferença nos apoios às empresas afetadas pelos incêndios de 2017

21 fev, 2018 - 21:40

Empresas afetadas pelos incêndios de junho recebem ajudas na ordem dos 85%, mas as que sofreram com os fogos de outubro recebem apenas 70%. Carlos Silva admite levar questão ao primeiro-ministro.
A+ / A-

A diferença de apoios por parte do Estado às empresas que foram afetadas pelos incêndios de junho e os de outubro é injusta, considera o secretário-geral da UGT.

Carlos Silva este em Oliveira do Hospital, precisamente um dos concelhos mais afetados pelos incêndios de outubro, para uma reunião do secretariado-geral e aproveitou para pedir justiça ao Governo nesta situação.

“Tem de haver um princípio de igualdade. Os incêndios de junho tiveram uma gravidade enorme e os de outubro também. Não faz sentido que uma empresa do outro lado da Serra, cujo território ardeu em junho, receba apoios na ordem dos 85% e que os deste lado tenham só 70%”, alerta.

“Há aqui uma discriminação que não faz sentido”, lamenta Carlos Silva, que admite levar a queixa até ao primeiro-ministro. “Sabemos que isto custa dinheiro, mas os incêndios foram graves para todo o país, tratem as pessoas da mesma forma, nomeadamente as que produzem riqueza e que querem reabrir as suas fábricas”, pede.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.