O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Ministério Público admite dar informações sobre inquérito à poluição no Tejo

14 fev, 2018 - 22:45

Poluição no rio levou à abertura de inquérito que está atualmente em segredo de justiça.
A+ / A-

O Ministério Público anunciou que, apesar de os elementos recolhidos no âmbito do inquérito sobre a poluição no Tejo estarem em segredo de justiça, podem ser reveladas informações quando os elementos do processo estiverem "consolidados" e sejam fiáveis.

"Atendendo à relevância pública da matéria objeto do inquérito, serão prestados esclarecimentos, ao abrigo do art.º 86.º, n.º 13, alínea b) do Código de Processo Penal quando, acauteladas as exigências da investigação criminal, os elementos constantes do processo estiverem consolidados e sejam comprovadamente fiáveis", refere o Ministério Público, num comunicado enviado às redações.

Na investigação em curso, o Ministério Publico é coadjuvado pela Polícia Judiciária e pela Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT).

"Tal como foi oportunamente informado, no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público do DIAP de Castelo Branco investigam-se factos relacionados com poluição no rio Tejo", explica, acrescentando que o inquérito foi instaurado no dia 27 de janeiro de 2018, na sequência de uma comunicação da IGAMAOT.

O Ministério Público salienta que o processo penal é, por norma, público, mas que existem exceções.

"Considerando a relevância do caso concreto e tendo em vista os interesses da investigação em curso, designadamente para evitar perturbações no andamento do processo, o Ministério Público determinou, no dia 1 de fevereiro, que os autos prosseguissem sujeitos a segredo de justiça", explica, frisando que a decisão foi validada pela juíza de Instrução no dia 06 de fevereiro.

No passado dia 9 de fevereiro, o Ministério Público notificou a Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território de que os elementos recolhidos no âmbito do inquérito sobre a poluição no Tejo estão em Segredo de Justiça.

A Celtejo, fábrica de pasta de papel da Altri, em Vila Velha de Ródão, defendeu a divulgação dos resultados das análises à poluição no rio Tejo colocados em segredo de justiça, como já pediram as associações ambientalistas.

As associações ambientalistas, Quercus e Zero, defenderam a necessidade de respeitar a decisão do Ministério Público que colocou em segredo de justiça o inquérito à poluição no rio Tejo, ainda que entendam que, por questões de saúde pública, os resultados deveriam ser públicos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • DR XICO
    15 fev, 2018 LISBOA 10:57
    O que passa cá para fora é: as celuloses dão bons empregos aos politicos que saiem dos governos para pagar os favores, daí não se ver solução à vista. Ainda a semana passado um membro do governo de Israel veio dizer que Israel tem tecnologia para tratamento de qualquer tipo poluição na água e que transforma em água pura para consumo humano, é uma questão de investimento não há é vontade de obrigar estas fabricas a adquirir esta tecnologia.