O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Aerosoles fecha portas em Portugal e Espanha

14 fev, 2018 - 12:02 • André Rodrigues

Encerramento das lojas acontece no fim de Fevereiro. Empresa justifica com um mercado em mudança e a falência da casa-mãe nos EUA.
A+ / A-

A empresa de calçado Aerosoles vai fechar todas as lojas que ainda estão abertas em Portugal e Espanha. A informação é avançada à Renascença pelo diretor-geral da Move-on, empresa responsável pela marca de calçado.

“O que foi comunicado a todas as pessoas é que vamos fechar as lojas todas, nove em Portugal, sete em Espanha. [Fecham] já a partir do final de Fevereiro”, explica Fernando Brogueira, acrescentando que em causa está a extinção do posto de trabalho de cerca de 30/35 pessoas.

Segundo o mesmo responsável, esta é a consequência de um mercado em mudança. Com a evolução para os negócios digitais - a Aerosoles, tradicionalmente vocacionada para um publico feminino e de idade mais avançada – tornou-se pouco apelativa.

Os problemas agravaram-se ainda com a falência da casa-mãe nos Estados Unidos. A Aerosoles abriu falência em setembro do ano passado e está agora em fase de liquidação.

A fábrica de Esmoriz - que fabricava estes sapatos - já pensa no futuro e está em Milão, na Feira de Calçado, a apresentar uma nova marca: chama-se Say Do e quer aproximar-se de um público masculino e mais jovem.

O encerramento da Aerosoles é o reverso da medalha num setor onde se multiplicam os casos de sucesso.

No ano passado, as vendas para mais de 150 países rondaram os dois mil milhões de euros, mais 56 milhões do que em 2016.

Foi o oitavo ano consecutivo de crescimento do calçado português.

A Renascença viajou para a Milão a convite da APICCAPS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.