A+ / A-

Hospital no Porto abre inquérito após "selvática agressão" a profissionais

14 fev, 2018 - 11:53

Dois enfermeiros, um auxiliar e um segurança foram agredidos na sequência de uma alegada demora no atendimento. Um polícia foi alvo de tentativa de atropelamento.
A+ / A-

O Centro Hospitalar de São João (CHSJ), no Porto, abriu um inquérito interno para esclarecer "todas as circunstâncias" da agressão "selvática" a quatro profissionais do Serviço de Urgência, registada na noite de terça-feira.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o conselho de administração do CHSJ refere ter comunicado os factos às autoridades competentes e manifesta "toda a solidariedade" com os profissionais envolvidos.

O caso ocorreu pouco depois das 23h00 de terça-feira, depois da entrada de um doente que se fazia acompanhar por "um número indeterminado" de pessoas.

Na sequência de uma alegada demora no atendimento do doente, foram agredidos dois enfermeiros, um auxiliar e um segurança.

O CHSJ diz que o doente "foi triado de acordo com os procedimentos normais e cumprindo todos os tempos previstos".

"Repentinamente, o doente e acompanhantes referidos agrediram selvaticamente quatro profissionais do Serviço de Urgência", descreve a nota.

Segundo fonte da PSP, um dos enfermeiros necessitou de ficar internado.

O agente da PSP em serviço no posto policial do hospital tentou fazer detenções e chegou mesmo a concretizar disparos de intimidação, para o ar, mas não evitou a fuga dos envolvidos, que chegaram a tentar atropelá-lo.

Com a chegada de reforços, a PSP acabou por dispersar os agressores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Heliodoro santos
    15 fev, 2018 Leiria 05:56
    Se todos fossem bater sempre que existe demora no atendimento...já não havia hospitais a funcionar. Mas como foram indivíduos de uma raça mais do que protegida, falsa, subsidio-dependentes, já tudo bem.
  • Sinhori
    14 fev, 2018 Prado 15:46
    Continuem a acolher refugiados, ciganos e terroristas que depois ides começar a levar nas ventas. Dai-lhes mais subsidio de integração e mais subsidio de inserção para eles poderem pagar as multas!! Ó Kosta, vai lá (ao cerco) e dar-lhes dois beijinhos!
  • DR XICO
    14 fev, 2018 LISBOA 14:21
    "um número indeterminado" de pessoas" PORTANTO CIGANOS que atacam em bando, em todos os locais publicos desde as finanças, autocarros, hospitais, nos bairros deles enfim só são simpáticos nas feiras onde tratam os PAGADORES DE IMPOSTOS por: óh DONA leve é barato, o Senhori tem bom gosto faço-lhe 10€ por ser para si.... Nós os hipócritas ainda reconhecemos bondade nestes chulos de impostos que ameaçam, ofendem e batem nos funcionários de uma qualquer coisa que os sirva...
  • luís
    14 fev, 2018 Odivelas 14:15
    De certeza que não eram ciganos.
  • Eborense
    14 fev, 2018 Évora 12:22
    Portanto, os ciganos nada fazem para que haja racismo contra eles. Os maus são os não ciganos, porque eles são os bons. O Ventura é um racista e todos são racistas. É que este, não é um caso isolado, mas acontece muitas vezes e os protagonistas são geralmente sempre os mesmos.