A+ / A-

Crescimento da economia atinge valor mais alto dos últimos 17 anos

14 fev, 2018 - 09:40

Ministério das Finanças fala num "maior equilíbrio" das contas, que foram "geridas criteriosamente".
A+ / A-

A economia portuguesa cresceu 2,7% no conjunto de 2017, o ritmo de crescimento anual mais elevado desde o ano 2000, e mais 1,2 pontos percentuais do que em 2016.

Os dados foram divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e confirmam as previsões otimistas dos analistas, segundo os quais este crescimento se deveu ao aumento do investimento e das exportações.

De acordo com a estimativa rápida do INE, a aceleração do crescimento no ano passado resultou do "aumento do contributo da procura interna, refletindo principalmente a aceleração do investimento, uma vez que a procura externa líquida apresentou um contributo idêntico ao registado em 2016".

Já no conjunto desse ano, a economia portuguesa tinha crescido 1,5%. Em 2000, a economia subiu 3,8% e tem vindo a apresentar, desde então, números decrescentes e ritmos inferiores a 2,7%.

Para 2018, o Governo prevê um crescimento de 2,2%.

Finanças falam em "maior equilíbrio" das contas

O Ministério das Finanças considera que o crescimento económico em 2017 acontece num contexto de "maior equilíbrio" das contas públicas, que foram "geridas criteriosamente", e das contas externas.

O ministério tutelado por Mário Centeno, num comunicado enviado às redações, salienta ainda que "o crescimento robusto do PIB acompanha uma evolução sólida do mercado de trabalho", recordando que a taxa de desemprego caiu para 8,1% no ano passado.

"O Governo destaca que este crescimento económico é socialmente mais equitativo, assente na criação de emprego e numa gestão criteriosa das contas públicas", lê-se na mesma nota.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • É verdade!
    14 fev, 2018 dequalquerlado 15:31
    o consumo tem que baixar mesmo. As pessoas estão sem dinheiro, ou com cada vez menos. Tudo sobe nesta terra, mas os salários são sempre os mesmos miseráveis
  • P/eurico
    14 fev, 2018 dequalquerlado 15:27
    A população vive melhor é agora, com a maioria dos empregos precários. Diz-se muito que o desemprego tem descido, mas ninguém fala nas condições destes empregos. Em que mesmo o estado emprega de forma vergonhosa como muitos dos privados fazem. É só irem às câmaras municipais e verão como é as condições precárias destes trabalhadores. Os do quadro sempre com os salários congelados. Viviam melhor? No ano 2000 tínhamos o escudo, o que rendia 2 ou 3 vezes mais do que esta porcaria desta moeda. Tem sido boa mas para aqueles que fizeram arredondamentos sem controlo, retirando poder de compra e empobrecendo mais o consumidor. Até podiamos não estar muito bem mas vivia-se melhor, agora não tem comparação possível. Somos dominados pela u.europeia e vive-se cada vez mais na mi´seria e sem dignidade. Ou será que tu ainda eras bebé em 2000?
  • eurico
    14 fev, 2018 Lisboa 14:40
    Tudo é relativo durante o Estado Novo houve crescimentos de 15%,a população vivia melhor?
  • 14 fev, 2018 palmela 13:24
    O consumo baixou! Ontem no centro comercial do continente do seixal "nao se vendia quase nada apesar dos descontos de s. Valentim!
  • Ora bem!
    14 fev, 2018 dequalquerlado 11:02
    O que é que interessa este crescimento, se muito do povo vive pobre e sem dignidade? O trabalho neste país é uma vergonha, só pagam o salário mínimo (500 euros) e ainda é temporário. Até as câmaras municipais colocam através de programas gente a fazer 4 horas diárias por 100 euros, para somar à ninharia que recebem do rendimento mínimo. Que grande exemplo de dignidade mostra o estado a estas pessoas. Este país virou todo para a precariedade. E somos europeus!? Agora somos dominados por estrangeiros. Um país todo entroikado (a troika a se meter em tudo: na saúde, no trabalho, nas leis fáceis de despedimento, nos salários precários e que encalharam há muito e toda a precariedade...) Enviaram-nos dinheiro, mas para alguns comeram à farta: lavradores, empresários, parcerias público privadas, para os bancos desbaratarem sem precedentes, para os corruptos, e até para se deixar de produzir. Um crescimento ao nível de 2000? Que retrocedeu 18 anos? Mas que grande consolo!?
  • jorge tibatina
    14 fev, 2018 alvaiazere 09:59
    E em 10 segundos a malta da PAF tem mais um ataque de nervos.......1,2,3,4.....