O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Dioceses têm de estar organizadas "para além das grades e muros da cadeia"

09 fev, 2018 - 13:10 • Teresa Paula Costa

Trabalho da Pastoral Penitenciária está a ser debatido em Fátima.
A+ / A-

O coordenador da Pastoral Penitenciária, padre João Gonçalves, apela à criação de departamentos dedicados a esta área, nas dioceses, lembrando a importância e a responsabilidade de toda a comunidade na prevenção da criminalidade e na reinserção social dos ex-reclusos.

"Muitas vezes o crime é resultado de uma comunidade que se alheou e que empurrou para a margem quem precisava de ser chamado", lembrou o padre João Gonçalves, na abertura do Encontro Nacional da Pastoral Penitenciária, que decorre em Fátima.

"Quando se diz que a diocese está bem organizada no que respeita à Pastoral Penitenciária, porque todas as cadeias da diocese têm capelão, isso é uma resposta perfeitamente ultrapassada", defendeu.

"Claro que todas as cadeias devem ter um capelão, um assistente espiritual e religioso e os seus colaboradores, mas as dioceses têm de estar organizadas para além das grades e dos muros da cadeia, para que evitemos a criminalidade, na medida do possível, e que as pessoas que saem da cadeia voltem para lá, por não terem o acolhimento suficiente", prosseguiu.

Subordinado ao tema “Voluntariado e Prisões: Constatações e Desafios”, o Encontro Nacional da Pastoral Penitenciária reúne mais de duas dezenas de agentes, esta sexta-feira e sábado. Nos trabalhos, serão partilhadas boas práticas de projetos de voluntariado e debatidos os desafios ao voluntariado neste meio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.