O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Abusos sexuais. Ana Rente, ginasta e médica, diz que é “preciso deixar de ter medo de falar”

09 fev, 2018 - 11:54 • João Carlos Malta

Ana Rente defende que o caso do médico da seleção norte-americana demonstra que todos devem estar atentos e não pode haver medo de falar.
A+ / A-

Aos sete anos, passou a fazer do trampolim vida. A medicina surgiu mais tarde, como paixão. Ana Rente, ginasta olímpica, olha para o caso do médico da seleção nacional de ginástica norte-americana, Larry Nassar , condenado a 175 anos de prisão por abusar de mais de 160 atletas, como mais um episódio que mostra que as mulheres estão a ganhar poder e “não toleram determinadas situações, em que antes olhavam para o chão e seguiam em frente”.

“Enquanto médica e atleta, penso que é algo que não pode ser admitido. Enquanto médica, temos um código deontológico, que passa por não fazer mal às pessoas. Devemo-nos reger segundo essa máxima. É inconcebível um médico aproveitar-se de determinados exames médicos”, afirma.

“As pessoas têm de estar atentas e não ter medo de falar, os treinadores devem estar atentos, e não se devem calar perante estas situações”, alerta Ana Rente, para quem estes casos têm de ser divulgados, de modo a que “as pessoas deixem de ter medo de falar”.

A atleta acredita que a divulgação deste tipo de casos “vai ser mais frequente”. Não considera que o número de casos esteja a aumentar, mas acha que há uma ambiente menos opressor para "admitir determinadas questões”.

Em relação a Portugal e ao desporto nacional, diz que nunca aconteceu nada deste género com ela e que nunca ouviu uma colega a falar de um caso de abuso sexual.

“Admito que possa existir, mas não sei de nada em concreto”, rematou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VICTOR MARQUES
    09 fev, 2018 Matosinhos 17:16
    E o que irá fazer este homem depois de cumprir os 175 anos de prisão???!!!...