O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
​Entrevista

“Portugal não deve responsabilizar-se pela escravatura”

08 fev, 2018 - 16:21

À Renascença, o historiador João Pedro Marques, autor do livro "Escravatura", desmistifica a ideia de que foram os portugueses a introduzir a escravatura em África e fala do problema nos dias de hoje.
A+ / A-
Entrevista João Pedro Marques
Entrevista João Pedro Marques
  • Ouça a entrevista a João Pedro Marques

O Portugal do século XXI não deve responsabilizar-se pela escravatura no século XV, defende João Pedro Marques, autor do livro “Escravatura”, recentemente editado pela Guerra & Paz.

Em entrevista à Tarde da Renascença, o historiador, especialista em escravatura e abolição, apresenta cinco argumentos para justificar a sua posição.

“Em primeiro lugar estamos a falar de uma relação que não foi imposta. Envolveu europeus e africanos. Não faz sentido que, numa relação assumida livremente, uma das partes pedir desculpa unilateralmente", diz.

“Em segundo lugar, são coisas que na altura não eram tidas como crime em parte nenhuma do mundo", prossegue.

“Em terceiro lugar, se começamos a pedir desculpa por barbaridades passadas, onde paramos?”, diz.

Em quarto lugar, aponta, "as pessoas que fazem pressão para um pedido de desculpas estão a cumprir uma agenda política que é tentar obter reparações materiais à distância”.

Finalmente, a "quinta razão" é "talvez a mais importante de todas. No século XIX, os abolicionistas que puseram fim ao tráfico de escravos e à escravidão pensavam que aquilo era culpa exclusiva dos ocidentais. Estavam mal informados. Nessa altura pediram desculpa à sua maneira.”

No seu livro, João Pedro Marques desmistifica a ideia que foram os portugueses que introduziram a escravatura em África. “Isso é um completo erro. O mundo muçulmano da orla Sul do mediterrâneo já comprava escravos na África Subsaariana, desde o século VIII, 700 antes de os portugueses chegarem”.

Os portugueses ajustaram-se a um negócio que já existia e foram seguidos por outras nações europeias.

"Os portugueses, os ingleses, os holandeses, os franceses não forçavam os africanos a vender pessoas. Os africanos tinham razões próprias para fazer esse tipo de negócios. Tinham vantagens políticas em fazê-lo", explica o historiador.

O passado esclavagista de Portugal continua a ser um tema sensível. No ano passado, quando o Presidente da República visitou o Senegal, um grupo de investigadores, professores e ativista escreveu uma carta a criticar Marcelo Rebelo de Sousa por “não reconhecer em Gorée a longa e sinuosa história da responsabilidade portuguesa no comércio e escravização de africanos”.

Para João Pedro Marques, “o que Presidente disse ali naquela circunstância foi aquilo que devia ser dito. Que o tráfico de escravos foi uma enorme barbaridade, de uma extrema injustiça, mas que foi reconhecido como tal. E que os portugueses do tempo de Marquês de Pombal começaram a abolir a escravatura aqui na Europa. O que há a fazer é olhar para as situações iníquas e injustas que existem hoje em dia”.

Cerca de 12,5 milhões de pessoas foram traficadas no passado, sobretudo, para as Américas, mas o problema persiste nos dias de hoje em grande dimensão, sobre outras formas, como a escravatura sexual de crianças e mulheres, refere João Pedro Marques.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jovision
    11 abr, 2018 Braga 21:39
    A MENTIRA DA ESCRAVATURA PARA DENEGRIR A IMPORTANCIA DE PORTUGAL Portugal não foi o primeiro, a escravatura existe desde o inicio do Homo Sapiens, nem sequer foi o primeiro a traficar Africanos, os Romanos já o faziam muito antes e traficaram mais escravos que Portugal, calcula-se 5 milhões, enquanto o trafico português para o Brasil em 4.500 milhoes. Até os Anglo Saxónicos, os percursores do “Portugal Bode Expiatório da Escravatura”, eles apesar de tentarem esconder e culpar os Tugas, a verdade é que só nos EUA Lincoln libertou mais de 4 milhoes de escravos africanos, mais uns poucos milhões nas Caraibas Britanicas, já para não falar da India. Os Belgas tb nos atacam, mas calam que eles há cerca de 1 seculo deceparam as mãos a milhões de escravos Congo Africanos e mataram mais de 10 milhoes. Os alemaes há pouco mais de 50 anos escravizaram mais 15 milhoes de pessoas. Mas as teorias arianistas não admitem que Portugal seja o criador da pagina mais importante da Historia Universal, a era em que finalmente todo o planeta se conhece e se une! Claro que há os milhoes de Judeus escravizados em Africa, há os muitos milhões de africanos escravizados por Arabes e por Africanos! Os escravos Vikings, os Slaves Eslavos? Os escravos de todas as tribos indias Americanas? Mas tá tudo burro e amnésico da cabeça? A questão é que fala-se de World Discoveries e lá vem a escravatura a denegrir, mas qdo se fala do Capitain Cook ninguém fala que os britanicos exterminaram toda a população Aborigene da Nova Zelandia. Agora, Portugal o, ou um dos primeiros a condenar e proibir a escravatura, é que leva com a culpa? Só se os Portugueses forem ingénuos, imbecis e masoquistas! VERDADE CIÊNTIFICA!
  • leitor
    13 fev, 2018 Lisboa 14:35
    Esta na moda de escrever a historia de novo. Os alemaes nao eram nazis, nem os portugueses colonizadores. Uma boa piada...
  • Sara
    10 fev, 2018 Lisboa 22:09
    Hoje em dia os proprios angolanos, escravizam mais os seus do que outro povo qualquer, a disparidade de classes é enorme e acima de tudo não tem qualquer respeito pelas crianças e doentes, portanto o passado é passado, vergonhoso presente