A+ / A-

Ranking do secundário 2017. Públicas são as que mais contribuem para o sucesso dos alunos

03 fev, 2018 - 00:00 • Fátima Casanova , Rui Barros

Quando se olha para as escolas que mais contribuem para o sucesso dos alunos, as escolas públicas chegam ao topo, num ranking que mostra que nem sempre é a média dos exames que mais importa.
A+ / A-

Das 10 primeiras escolas que mais contribuem para o sucesso dos alunos seis são públicas. Os dados do divulgados este sábado pelo Ministério da Educação relativos ao sucesso dos alunos trazem para o topo da tabela as escolas públicas, com 13 escolas públicas a constar do top 30.

A primeira pública, é a Escola Básica e Secundária Arga e Lima, em Lanheses, no distrito de Viana do Castelo. No ranking das notas dos exames do secundário está em 257º lugar com uma média de 10,35 e conseguiu trepar um lugar face a 2016. Neste ranking de sucesso surge em segundo lugar, logo atrás do Colégio São Miguel, subindo uma posição face ao ano anterior.

Este é um ranking paralelo ao tradicional, que reflete os percursos de sucesso em cada escola, isto é, a percentagem de alunos que concluíram o ensino secundário sem retenções nos 10.º e 11.º anos e que conseguiram ter positiva nos dois exames das disciplinas trienais (Português e Matemática A, Português e História ou Português e Desenho, dependendo dos cursos).

Este indicador compara depois os resultados de cada escola com a média nacional, tendo por referência os alunos com um percurso comparável, de acordo com as notas obtidas nos exames de 9.º ano.

Top 10 das Escolas Secundárias que mais promovem o sucesso dos alunos.

Na Secundária de Arga e Lima quase metade dos alunos (49%) conseguiram concluir o secundário sem chumbar e tiveram positiva nos dois exames finais de 12.º ano. É um valor que a coloca na metade superior da tabela e quando comparada com outras, com alunos semelhantes, tem 17,55 pontos acima da média nacional, o que a coloca na segunda posição como escola que mais promove o sucesso dos seus alunos.

Nesta escola, quase metade dos alunos teve o apoio da ação social escolar e a escolaridade dos pais rondava os oitos anos. Apesar dos dados de contexto desfavoráveis, apresenta a segunda taxa de retenção mais baixa. Apenas 5,5% dos alunos reprovaram no 12º ano.

Com dados de contexto semelhantes, surge em terceiro lugar, neste ranking de sucesso, a escola secundária de Porto de Mós, que tendo em conta as notas dos exames é a 14.ª melhor pública e no ranking geral está na posição 61. Caiu face a 2016 quando era a 3ª melhor pública e 38ª no ranking geral. Ainda assim, esta escola é a segunda publica onde mais alunos concluíram o secundário num percurso sem retenções, logo atrás da Secundária Infanta D. Maria, em Coimbra (2ª melhor pública).

Na escola de Porto de Mós, 61% dos alunos conseguiram concluir o secundário sem chumbar e tiveram positiva nos dois exames finais de 12.º ano. Quando comparada com outras, com alunos semelhantes, esta escola pontua 16,95 pontos acima da média nacional.

Em primeiro lugar neste ranking está o Colégio de São Miguel, no concelho de Ourém, que na listagem, que tem em conta as médias dos exames, está na posição 26 (média 12,60).

Neste colégio, do distrito de Santarém, quase 64% dos alunos conseguiram concluir o secundário sem chumbos e com positiva nos exames. Quando comparado com outras instituições com um nível semelhante à chegada ao 10.º ano, supera a média nacional em 19,83%.

Média nacional de percursos diretos continua a crescer

As três escolas que encabeçam o Ranking de Sucesso deste ano têm percursos diretos de sucesso superiores à média nacional, que é de 42% e que tem vindo sempre a crescer. Em 4 anos subiu 11%.

Para esta subida contribuíram todos os distritos, mas Aveiro, Castelo Branco, Porto e Beja foram os que subiram acima da média nacional e conseguiram ter mais alunos a concluírem o secundário depois de um percurso sem retenções.

De registar ainda uma diferença significativa entre as percentagens de percursos diretos de sucesso por sexo, com quase metade das alunas (47%) a conseguirem terminar o secundário sem chumbos, mais 10% que os seus colegas do sexo masculino.

Também os alunos sem apoio da ação social escolar têm mais sucesso na conclusão do secundário. Apenas 23% dos alunos no escalão A não chumbaram, enquanto 44% dos alunos sem ASE conseguiram fazer um percurso direto de sucesso.

Só em 36 escolas públicas metade ou mais dos alunos são bem sucedidos

O indicador dos percursos diretos de sucesso permite ainda perceber que apenas 36 escolas públicas conseguiram garantir que metade ou mais dos seus alunos tiveram um percurso de sucesso, sem chumbos, no triénio 2015/2017. Destas escolas, só três públicas conseguiram que cerca de 60% dos seus alunos fizessem o ensino secundário sem chumbar.

Nos colégios o cenário é diferente: os cálculos feitos pela Renascença com base nos dados do Ministério Público e tratados pela Universidade Católica para o jornal "Público" mostram que foram 30 os colégios que conseguiram que mais de 60% dos seus alunos tiveram um percurso directo de sucesso. Em cinco destes, mais de 80% dos estudantes concluíram o ensino secundário sem repetências.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.