A+ / A-

​Fenprof anuncia estudo nacional sobre desgaste dos professores

31 jan, 2018 - 11:49

Documento pretende também pressionar o Governo a adoptar um regime específico de aposentação.
A+ / A-

Uma equipa de investigadores universitários, coordenada por Raquel Varela, investigadora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, vai fazer um estudo nacional sobre o desgaste dos professores. O trabalho de campo vai durar vários meses e serão feitos milhares de inquéritos nos diferentes estabelecimentos de ensino do país.

O estudo conta com a parceria da Fenprof e terá como objectivo não só mostrar como o desgaste dos docentes afecta também a vida nas escolas, mas também pressionar o governo a adoptar um regime específico de aposentação.

O secretário-geral da estrutura sindical, Mário Nogueira, diz que o estudo “vai retirar dúvidas, se alguém as tem, de que de facto têm de ser tomadas rapidamente medidas porque senão o Ministério da Educação escusa de falar em inovação pedagógica, escusa de falar em novas exigências para o futuro porque de facto falta-lhe depois aquele sangue jovem”.

O sindicalista sublinha o sector tem um problema de envelhecimento que justifica um avançar desde já com um regime específico de aposentação.

Mário Nogueira defende a remoção dos “obstáculos que existem à decisão que é uma decisão fundamental, para as pessoas, para os professores, para as escolas e para os alunos”.

“Há escolas em que o professor mais novo tem neste momento 52, 53, 55 anos”, garante.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jose
    31 jan, 2018 Beja 23:20
    Os comentários que li demonstram um conhecimento da profissão docente que alinham com o estado geral deste país. É compreensível com o número de analfabetos funcionais que existem no portugal de hoje. Apesar de tudo, os comentarios aqui colocados só foram possíveis graças aos professores que tiveram. Sem os professores nao teriam condições para ler a notícia e fazerem os respectivos comentarios. Estamos num mundo de mal agradecidos. O trabalho dos professores foi tão bem feito que nem se lembram que nao nasceram ensinados. A falta de gratidão e de consciência é tal que o futuro deste país está comprometido.
  • Prof
    31 jan, 2018 22:35
    Ao ler os comentários aqui publicados, para além de um total desconhecimento da vida profissional dos professores, revela bem a mentalidade nojenta de certos "serzinhos" que existem neste país, cuja preocupação principal é comentar estupidamente as profissões alheias. Estes "serzinhos" estão muito irritados porque queriam os professores nas escolas desde as 7:00 até às 20:00. Assim, deixavam os filhos de manhã na escola, podiam ir para a praia descansados e, no final do dia iam buscá-los, como muitos já fazem. Este tipo de pessoas não são pais, só servem para procriar e depois, deixam para os outros cuidarem da consequência da falta de anticoncepcionais.
  • DR XICO
    31 jan, 2018 LISBOA 15:06
    Claro que se devem reformar mais cedo, não há profissão que aguente com tantos dias de férias, é stressante, desgastante ninguém sabe o que fazer em: ( 15 dias Natal) 5 dias carnaval, 15 Pascoa (15 junho a 10Setembro) 85 dias o que FAZ NO TOTAL 120 DIAS UTEIS DE FÉRIAS POR ANO.. agora venham responder - à mas temos as reuniões, os trabalhos componente lectiva bla bla bla O QUE O PAÍS SABE É QUE METEM AS MALAS NO CARRO A 16 JUNHO E VOLTAM 10 STEMBRO
  • António dos Santos
    31 jan, 2018 Coimbra 13:53
    O desgaste dos professores, deve-se fundamentalmente aos Atestados falsos, que metem com exagerada frequência. O problema da maioria dos professores, é não terem o mínimo de capacidade, para darem aulas.
  • João Lopes
    31 jan, 2018 Viseu 13:15
    Haverá algum estudo sobre o desgaste que a fenprofdopcp tem feito aos alunos, aos professores, aos pais e ao País?
  • Pedro
    31 jan, 2018 13:10
    Perguntar aos próprios interessados se estão desgastados e esperar ter uma resposta negativa, dá vontade de rir!! Uma profissão com tantos meses de férias, horário pequeno e a encolher com os anos de serviço (um professor de 60 anos só faz 14 horas de serviço por semana) é um luxo. Por isso tanta gente está interessada em ser professor.
  • 31 jan, 2018 12:37
    Sinceramente nao me lembro de passos coelho vir pros meios de comunicacao social fazer debates publicos!
  • É PARA RIR?
    31 jan, 2018 Lx 12:22
    É um desgaste imenso a começar pelo sindicalista/ professor Nogueira que se diverte no universo do mundo grevista em que sempre viveu. Salazar esteva 40 anos no poder..Há quantos anos está esse social fascista chamado kamarada Nogueira à frente dos destinos da Fenprof? Ainda falavam do botas...Democracia da treta, peta e da teta...