|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Humanos usados em testes de emissões de carros

29 jan, 2018 - 16:04

Volkswagen, Daimler e BMW financiaram estudo que testou os efeitos nocivos das emissões de gases de motores a gasóleo em humanos e macacos.

A+ / A-

Três dos principais fabricantes de automóveis alemães - Volkswagen, Daimler (empresa dona da Mercedes-Benz) e BMW - financiaram um estudo que testou os efeitos das emissões dos escapes de veículos a gasóleo em humanos e macacos.

O governo alemão já denunciou as experiências, afirmando que a exposição de humanos e macacos a fumos tóxicos "é inaceitável". A ministra alemã do Ambiente, Barbara Hendricks, classificou os testes como "abomináveis".

"Os testes em macacos ou até mesmo humanos não podem ser justificados de maneira ética", afirmou o porta-voz da chanceler Angela Merkel, Steffen Seibert.

Estas experiências são "absurdas e abomináveis", criticou o político social-democrata Stephan Weil, que é também membro do conselho de supervisão da Volkswagen. "O lóbi não pode ser uma desculpa para tais testes", disse Weil citado pela BBC.

Os políticos alemães referiam-se às experiências que sujeitaram humanos e macacos à exposição de gases do escape de veículos a gasóleo com o objectivo de mostrar que a nova tecnologia deste tipo de motores era mais limpa e menos nociva.

A notícia foi avançada pelo jornal "The New York Times" na semana passada e foi também retratada no documentário "Dirty Money", que começou a ser emitido na plataforma de "streaming" Netflix na sexta-feira.

O estudo foi encomendado ao Grupo Europeu de Pesquisa sobre Meio Ambiente e Saúde no Sector dos Transportes (conhecido pela sigla EUGT, o acrónimo em alemão) e financiado pelas três marcas alemãs. A investigação terá sido projectada após a denúncia de que os gases do escape deste tipo de combustível eram cancerígenos.

A pesquisa tinha por objectivo mostrar que a mais recente tecnologia dos veículos a gasóleo tinha resolvido o problema do excesso de emissões associadas a uma série de doenças pulmonares e culpado por dezenas de milhares de mortes prematuras, dados que constam de um relatório da Comissão Europeia.

Testes com humanos na Alemanha, com macacos nos EUA

As experiências dos testes de emissões de gases de escape de carros com motores a gasóleo decorreram durante um mês, num laboratório em Aachen, no oeste da Alemanha, segundo o jornal "Stuttgarter Zeitung".

Durante os testes, 19 homens e seis mulheres foram expostos a diferentes concentrações de emissões de dióxido de nitrogénio (um gás extremamente tóxico e irritante). Os testes com humanos terão acontecido em 2016.

A experiência com macacos foi levada a cabo num laboratório em Albuquerque, no Novo México, nos Estados Unidos, em 2014, segundo o "New York Times".

Dez macacos foram colocados em câmaras herméticas a ver desenhos animados enquanto inalavam os fumos do escape, primeiro, de uma carrinha Ford (modelo de 1999) e, depois, de um Volkswagen Beetle a gasóleo (modelo de 2012), fornecido pela marca. Os fabricantes queriam usar os resultados da experiência para provar que a nova tecnologia "diesel" era mais limpa e menos maligna que a anterior.

O carro usado na experiência foi um dos muitos veículos cujo "software" foi manipulado para dar resultados de emissões mais baixos do que eram na realidade, um escândalo revelado em 2015.

Os testes de emissões feitos com macacos foram agora revelados na sequência de um dos muitos processos legais contra a Volkswagen que decorrem nos tribunais dos Estados Unidos.

Novo capítulo no escândalo das emissões poluentes

As três construtoras alemãs já vieram a público condenar a realização do estudo, que, apesar de ter sido levado a cabo nos Estados Unidos, foi pedido pelo centro de investigação europeu (e financiado pelos três fabricantes alemães).

Organizações de defesa dos direitos dos animais, como a PETA, não poupam nas críticas à experiência com os macacos e pedem à Volkswagen o fim imediato dos testes com animais.

Ainda não foi possível apurar se os três fabricantes alemães tinham ou não conhecimento da utilização de humanos e macacos para a realização dos testes, segundo a agência Reuters.

As três marcas já comunicaram que está em curso uma investigação aprofundada aos estudos realizados pelo gabinete europeu que fechou portas no final do ano passado.

O grupo Volkswagen afirma, em comunicado, que "os testes feitos em animais contradizem os princípios éticos" da marca.

Na mesma linha, a Daimler afirmou também que "condena veementemente a experiência", que "viola os valores e princípios da marca".

Por seu lado, o grupo BMW "condena os estudos levados a cabo pelo EUGT" e reforça que "não realiza testes em animais".

[Notícia actualizada às 16h00]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Isabel A. Ferreira
    30 jan, 2018 Porto 19:27
    Os humanos estariam lá por vontade própria, por dinheiro... talvez! Os macaquinhos foram levados à força, cobardemente... É como se tivessem lá posto crianças humanas de três anos de idade... Um acto inqualificável, nos tempos que correm... Os energúmenos que praticaram tal acto deviam ser devidamente punidos por crime cometido contra a Vida de outrem. E não importa quem é esse "outrem".
  • fanã
    29 jan, 2018 aveiro 19:34
    No caso particular da Alemanha , este tipo de (experiências) , são de má memoria histórica...............nem mais !
  • Lopes
    29 jan, 2018 Silves 18:38
    Porque é que são sempre os alemães com coisas destas?
  • MASQUEGRACINHA
    29 jan, 2018 TERRADOMEIO 18:02
    Os pobres macacos já se sabe, eram involuntários. Mas, e os humanos? Ficará a notícia, como de costume, por aqui mesmo? Já muitos rolos de dinheiro devem andar a rolhar as fontes... que dinheiro é o que não falta. Sem demagogias, e com total consciência de prováveis injustiças individuais, digo: os alemães são, definitivamente, uma espécie à parte. Não por terem o monopólio dos horrores, claro. Mas porque neles o horror consiste na coexistência, na normalização da coexistência, dos máximos da civilização com os máximos da barbárie civilizacional. O mal banalizado, como dizia a outra, a psicose atávica do uber alles, é o "german way of life". Bem podem políticos e managers bradar aos céus e rasgar as vestes, o tigre nunca perde as suas riscas, por mais camaleão que tente ser. Depois do espantoso escândalo do diesel, e agora esta javardeira, para lá das ofensas ignorantes e moralismos da treta, não se percebe como alguém não alemão ainda compra produtos alemães... Na medida do possível, eu não. Afinal, os "maus alemães" estão outra vez a ganhar poder institucional, e os "bons alemães" a ver e a deixar - onde é que já vimos este filme? A nossa conquista será económica e não bélica - mas, nos entretantos, eles não resistem a umas experiênciazitas com sub-humanos e outra bicharada, que os fins justificam os meios. Já chateiam, os alemães e suas taras.
  • B.M.W.
    29 jan, 2018 Portugal 13:48
    Há poucos meses atrás lia-se num grande cartaz de um anúncio da bmw por todo o país: "A raça alemã"