A+ / A-

António Calvário sobre Madalena Iglésias. "As pessoas pensaram que poderíamos vir a casar"

16 jan, 2018 - 17:55

Em conversa com Ana Galvão, na Tarde da Renascença, António Calvário recordou a cantora, que morreu esta terça-feira.
A+ / A-
António Calvário comenta a morte de Madalena Iglesias em conversa com Ana Galvão
António Calvário comenta a morte de Madalena Iglesias em conversa com Ana Galvão

Veja também:


António Calvário lamenta a morte de Madalena Iglésias, aos 78 anos, de quem foi amigo. "Éramos considerados os namoradinhos", contou na Tarde da Renascença.

"Conheci a Madalena quando tínhamos 18 anos, demo-nos sempre muito bem, estivemos sempre em contacto, mesmo com ela fora. Sempre que vinha a Portugal encontrávamo-nos, íamos almoçar", contou em conversa com Ana Galvão.

António Calvário estava a par do estado de saúde de Madalena Iglésias, embora não esperasse que ela morresse tão cedo. Recordou ainda as suas várias colaborações com a artista, com quem tinha uma excelente relação. "Era de tal forma que as pessoas pensaram que poderíamos vir a casar. Éramos considerados os namoradinhos", brinca, lembrando que os respectivos clubes de fãs pediam insistentemente que não o fizessem.

"Já chorei muito hoje", confessou o artista.

Madalena Iglésias tinha 78 anos e estava internada numa clínica em Barcelona, Espanha. O velório realiza-se esta terça-feira, a partir das 18h00 (17h00 em Lisboa), na sala 18 do Tanatório de Collserola, em Barcelona.

Madalena Iglésias venceu o Festival da Canção em 1966 com a música "Ele e Ela" (“Sei quem ele é/ Ele é bom rapaz/ Um pouco tímido até") e tornou-se, a par de Simone de Oliveira, numa das vozes mais importantes do chamado “nacional-cançonetismo” da década de 1960 – ano em que recebeu os títulos de Rainha da Rádio e da Televisão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Eborense
    18 jan, 2018 Évora 14:14
    Que mulher linda. Ó Alberto, é sempre bom recordar qual era a legislação nos anos 60. Tem razão!
  • Alberto
    17 jan, 2018 FUNCHAL 14:02
    Nos anos 60 era proibido, em Portugal, o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
  • DR XICO
    17 jan, 2018 LISBOA 11:39
    Morreu a senhora que cantou meia duzia de canções em Portugal, foi viver para Barcelona e nunca mais cá voltou... e faz 1ª pagina de todos os jornais?? Podia ser boa pessoa mas nunca ganhou nada a não ser o festival da canção cá. Deve haver confusão com tanta deferência