A+ / A-

Tondela. Incêndio em associação faz oito mortos

13 jan, 2018 - 21:47

Fogo terá começado numa salamandra. Há 38 feridos, alguns em estado grave, que foram transportados para hospitais em Lisboa e Porto.
A+ / A-

Um incêndio numa associação recreativa em Vila Nova da Rainha, no concelho de Tondela, fez, pelo menos, oito mortos e 38 feridos, confirma o oficial de operações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) Paulo Santos.

Há a registar nove feridos graves, que foram transferidos para unidades hospitalares de Porto e Lisboa. Receberam ainda assistência psicológica 32 pessoas.

"Os feridos começaram por se transportados para o hospital de Viseu, hospital de Tondela e o Centro Hospitalar de Coimbra. Houve depois a necessidade de deslocalizar para Lisboa quatro vítimas mais um, com a idade de 15 anos, para o Hospital da Estefânia", disse à Renascença o adjunto Manuel Cordeiro da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

O incêndio, que terá começado numa salamandra, ocorreu durante um jantar numa associação recreativa naquela localidade, de acordo com a mesma fonte.

Os feridos já foram todos evacuados para os hospitais de Viseu, Tondela e Coimbra. Os mais graves seguem para Lisboa e Porto.

Já o presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, considerou como "muito crítica" a situação.

O primeiro-ministro já falou com o autarca sobre o fogo, estando a ser accionados "todos os meios", disse à agência Lusa fonte oficial do Governo.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social activou a Linha Nacional de Emergência Social através do número gratuito 144, na sequência da explosão em Tondela.

No local estavam, às 23h10, 173 operacionais apoiados por 57 veículos e três helicópteros. O alerta foi dado às 20h51 e pelas 21h50 o fogo foi dado como extinto.

A notícia começou por ser adiantada pelo Expresso.

[Actualizado às 09h52]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    14 jan, 2018 évora 14:28
    Tão a culpa agora é do Estado , pague-se indemnizações e crie-se uma tabela de licitação de quanto vale cada morto e entregue-se à Provedoria para licitar ! É uma vergonhaaaaaaaaaaaa !!!! Em qualquer banda de Portugal não existe prevenção e ninguém quer saber ! Portas de emergência bloqueadas ou que não existem . Meios de deteção parados ou não existem . Meios de combate inicial como extintores não existem ... querem o quê ? Dão alvará de funcionamento a tudo e todos ! Começa bem o ano de 2018 !
  • Albertina Sarmento
    14 jan, 2018 Anadia 13:29
    Grandes pensadores que por aqui polulam e vomitam as suas fétidas teorias. São daqueles que nunca fizeram asneira e os culpados das desgraças são sempre os outros! Ainda a tragédia não foi minimamente avaliada e já os teóricos da desgraça, com base numa notícia de jornal e sem mais nada conhecerem sobre o assunto e local, encontraram os culpados! Melhor será ter um governante, um polícia e um bombeiro em cada esquina. Estas são as únicas pessoas responsáveis e capazes de evitar uma tragédia! Pobres diabos, com tanto saber e tão pouca ou nenhuma responsabilidade!!!
  • ao kika
    14 jan, 2018 port 13:18
    tira bilhete para Marte e não queiras fazer-nos de parolos!...fazes parte dos aproveitadinhos de tragédias!
  • pelos vistos
    14 jan, 2018 lx 12:59
    e a fazer crer pelo que se pode ler, há deficiências construtivas que levaram à tragédia! Como é possível em edifícios destes, haver portas de saída, a abrirem para o interior? Como é possível serem utilizados materiais em coberturas que são altamente inflamáveis? Isto já para não colocar a hipótese de as "salamandras" estarem eventualmente mal instaladas! Quem aprova tudo isto? Será também responsabilidade do Estado que não funciona, como alguns (ir)responsáveis políticos vêm logo afirmar e aproveitarem-se das tragédias?...
  • Rui
    14 jan, 2018 Lisboa 10:59
    Isto é lamentável que condições tinha o edifício para juntar 60 pessoas de lareira acesa pelos relatos o tecto era altamente inflamável a única saída era uma escada miserável e ainda ficaram retidos na porta de saída é uma falta de responsabilidade incrível o que acabou de acontecer.
  • Lidia
    13 jan, 2018 Pontinha 23:23
    Mais 1 vez valeram_lhe os intrépidos bombeiros.
  • kika
    13 jan, 2018 Planeta Terra 23:01
    Será que este Ano também vai ser tão saboroso como o anterior? Vergonhoso e inadmissível. Os nossos governantes andam nas nuvens de tão felizes. Devem ser os únicos e é o que importa , o resto é o " destino ".
  • Carlos Gonçalves
    13 jan, 2018 Seixal 22:57
    A culpa é deste governo....
  • Carlos Costa
    13 jan, 2018 Carnaxide 22:31
    21:50, 118 operacionais !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
  • Nuno
    13 jan, 2018 Rnfe 22:03
    Espero que nao aja vitimas