O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Jardim fala em eleições viciadas, conselho de jurisdição devaloriza

13 jan, 2018 - 20:54

Este sábado 70 mil militantes social-democratas escolhem líder entre Rio e Santana Lopes.
A+ / A-

O conselho de jurisdição nacional do PSD desvaloriza as alegações do ex-líder regional da Madeira Alberto João Jardim de que as eleições directas no PSD estão viciadas, afirmando que não foi recebida qualquer queixa.

Em declarações à Lusa, e questionado sobre se as eleições estão viciadas, como disse João Jardim, Jorge Pracana, do conselho de jurisdição, começou por sugerir que a pergunta fosse feita ao ex-líder madeirense. Depois, afirmou que todo o processo eleitoral decorreu com normalidade.

"Até agora não temos qualquer conhecimento nem queixa de qualquer secção. Tudo correu com a máxima das normalidades", disse à Lusa.

Em declarações aos jornalistas, depois de votar no Funchal, Alberto João Jardim, citado pela TSF, afirmou que "isto [eleições directas] foi viciado".

"A máquina do partido, tanto lá como cá, empenhou-se na reeleição do Santana Lopes porque o Santana Lopes representa realmente aquilo que está estabelecido, a garantia dos lugares que estão distribuídos", disse.

Só não ganhará, disse, caso "a máquina esteja tão desacreditada que nem sequer os da máquina votam nos da máquina".

Jorge Pracana afirmou que a votação correu normalmente, não há números de participação, mas deu o exemplo de Alpiarça em que a votação foi em massa, só faltando votar um militante que "não podia".

Mais de 70 mil militantes do PSD foram hoje chamados a escolher o próximo presidente social-democrata e sucessor de Pedro Passos Coelho nas eleições directas disputadas entre Pedro Santana Lopes e Rui Rio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.