O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

António Costa afasta Governo de "Bloco Central"

13 jan, 2018 - 14:38

"Já chega eles [Pedro Santana Lopes e Rui Rio] discutirem qual deles me prefere a mim. Não vou interferir de forma nenhuma no congresso do PSD", disse o primeiro-ministro.
A+ / A-

O secretário-geral do PS, António Costa, afastou este sábado eventuais soluções de Governo de "Bloco Central" em Portugal, alegando que o actual executivo tem alcançado "bons resultados", e recusou-se a pronunciar-se sobre quem prefere na liderança do PSD.

As decalrações ocorreram antes da reunião da Comissão Nacional do PS, depois de ter sido interrogado se prefere Rui Rio ou Pedro Santana Lopes na presidência do PSD.

"Já chega eles [Pedro Santana Lopes e Rui Rio] discutirem qual deles me prefere a mim. Não vou interferir de forma nenhuma no congresso do PSD", respondeu o líder dos socialistas.

Questionado se, tal como na Alemanha, também em Portugal os dois maiores partidos portugueses, PSD e PS, podem, a prazo, entender-se para a formação de um Governo, António Costa considerou esse tema "sem sentido", colocando antes a questão portuguesa numa dialética entre esquerda e direita.

"Não faz sentido, porque temos uma solução de Governo para quatro anos, que, felizmente, tem provado muito bem e assegurou ao país estabilidade, mas estabilidade na mudança. O país estava saturado da política seguida pelo Governo PSD/CDS, que teve desastrosos resultados económicos, sobretudo na destruição de emprego, na esperança e na confiança dos portugueses", criticou depois.

Nos últimos dois anos, segundo António Costa, o atual Governo socialista tem "conseguido reconstruir essa esperança e essa confiança" dos portugueses.

"Cumprimos todos os compromissos estabelecidos com os portugueses, os compromissos no quadro da maioria parlamentar e os compromissos com a União Europeia", acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Leonel Costa
    13 jan, 2018 Feijó 17:45
    Navegar a onda que vem de trás!!!!!????? É preciso ser burro frustrado e ressabiado para dizer estas coisas. O que vem de trás é a noite e o que vai agora é o Dia e se um segue ao outro não tem nada a noite escura com o dia claro e de esperança. Idiota!!!!
  • joao123
    13 jan, 2018 lisboa 14:53
    Já lá vão dois anos de governação e reformas que melhorem e ajudem a economia nem vê-las. Está a navegar a onda que vinha de trás, vamos ver até onde vai até se acabar...