A+ / A-

ASAE apreende 15 toneladas de queijos, carnes e rissóis

13 jan, 2018 - 09:33

A acção de fiscalização foi realizada durante a última semana num entreposto ilegal em Leiria.
A+ / A-

Mais de 15 toneladas de alimentos foram apreendidas pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) num entreposto ilegal que armazenava produtos no concelho de Leiria.

Em comunicado divulgado, este sábado, a ASAE refere que a ação de fiscalização foi realizada durante a última semana e que a atividade do entreposto foi suspensa e instaurado um processo de contraordenação.

Ascende a 56 mil euros o valor dos produtos apreendidos, incluindo queijos, carnes de bovino, suíno e frango, produtos de pesca e pratos pré-cozinhados, como rissóis e pastéis de bacalhau.

Este entreposto, que ficou com atividade suspensa, armazenava produtos a temperatura controlada, mas sem que tivessem sido feitas as respetivas vistorias e sem a autorização necessária das autoridades.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Leonardo
    13 jan, 2018 Porto 15:56
    Nunca percebi o ódio dos consumidores à ASAE, graças à asae deixamos por exemplo de comer em restaurantes cujo óleo de frituras era perigosíssimo para a saúde de tão usado que era, a comida que ia nos pratos sujos estava ao lado da que ia para a nossa mesa, o armazenamento passou a ter regras que as cozinhas tivessem de estar limpas etc. Que os comerciantes se queixem compreendo, mas que os consumidores se queixem é que não é compreensível e só pode ser por ignorância ou estupidez .
  • André
    13 jan, 2018 Lisboa 15:20
    Para os trolls que fazem de conta que não percebem: A ASAE foi fiscalizar um armazém que vende produtos ao público e a outras empresas. Esse armazém não tem quaisquer vistorias, não está registado e nunca foi indicado como estando a armazenar produtos perecíveis. (O armazém em causa era uma loja de roupas... na qual o proprietário construiu uma câmara frigorífica e começou a vender comida feita e produtos alimentares.) Sem ter as autorizações, está ilegal e os produtos foram apreendidos. Se o proprietário validar toda a instalação, alterar a actividade e registar a empresa como alimentar, então irá safar-se das multas. No entanto, dificilmente vai recuperar o material apreendido, já que tinha de fazer tudo em 7 dias. Duvido que consiga que a Câmara municipal faça a vistoria e autorize a operação. A maioria das câmaras demora 12 dias para amigos e 70 a 300 dias para as pessoas comuns.
  • Rui Nunes
    13 jan, 2018 lx 15:14
    Estava impróprio para consumo porque não pagou IVA´s e outras taxas, se tivesse paga era bom para consumo humano. Ninguem se iluda, a ASAE está se borrifando para a saude publica, o interesse e so e apenas os cofres do Estado. falo com conhecimento de causa.
  • Joao
    13 jan, 2018 Leiria 14:21
    Não percebo ali o último ponto!! O entreposto ficou com atividade suspensa! Então antes não estava suspensa. Era ilegal? Ou faltava-lhe vistorias! Acho que uma multa e a suspensão da actividade até às vistorias serem feitas era mais proveitoso do ponto de vista social e cívico! Que é para isso que as instituições do estado deveriam funcionar. Até porque pelos vistos o armazenamento estava nas condições exigidas!
  • Luis
    13 jan, 2018 Llsboa 13:19
    O entreposto estava ilegal os produtos estavam bons pelos vistos.Qual o destino do material? Não me digam que foi tudo pata o lixo como os bolos rei ali para o lado da Graça em Lisboa.
  • F Pinto
    13 jan, 2018 Matosinhos 12:22
    A ASAI para justificar a sua existência procura sempre que possível, grandes shows of's, com coisas que muitas vezes, não afectam a saúde pública, nem sequer são casos, mas contam para a sua "produção". Sejam realmente incisivos, mas com aquilo que de facto afecta a saúde e qualidade de vida dos Portugueses, e claramente este é mais um que não é o caso
  • Manuel Santos
    13 jan, 2018 Vila Nova de Famalicão 11:25
    Ao ler a notícia sobre esta apreensão de artigos,pergunto,porque foram apreendidos ?Foi porque estava o impróprios para consumo,foi porque o o armazém estava por legalizar? Pelo que li parece que até estava tudo bem a nível de armazenamento e temperaturas !..Pergunto para onde foi essa mercadoria ?Foi para lares ,foi para animais ?No meu entender houve aqui um excesso de gelo das autoridades porque se calhar o entreposto estava por legalizar e a culpa não era só do proprietário !..
  • teixeira
    13 jan, 2018 11:05
    o meu comentário não era correto ??
  • vc
    13 jan, 2018 vc 11:05
    A ASAE entrou aí e talvez BEM, mas é um PEQUENO, que estava a entrar no negócio. Gostava de os ver ERA entrar nos GRANDES... .
  • teixeira
    13 jan, 2018 tavira 11:03
    Há pessoas que confundem rissois e a Pide...Apoio total à ASAE que nos impede de comer muita porcaria e mesmo assim continua-se a fiscalizar pouco em Portugal o que se come