A+ / A-

Último dia de campanha no PSD. A revelação, o desmentido e a "onda laranja"

12 jan, 2018 - 21:23

Pedro Santana Lopes e Rui Rio concordaram na recta final: a campanha foi positiva, esclarecedora e não abriu uma fractura exposta no PSD.
A+ / A-

Veja também:


Uma revelação polémica, um desmentido, feridas para sarar, balanços positivos e até Trump, Kim Jung-un, Rajoy e Puigdemont “entraram” no filme do último dia de campanha à liderança do PSD disputada entre Pedro Santana Lopes e Rui Rio.

O "cúmulo da anedota". Foi assim que Pedro Santana Lopes negou a revelação de Pacheco Pereira sobre uma reunião entre os dois, em 2011, com vista à criação de um novo partido para concorrer com o PSD.

Santana Lopes negou ter convidado Pacheco Pereira para formar um novo partido e fez várias comparações.

"Chegamos ao cúmulo da anedota, que é dizer-se que poderia acontecer que eu quisesse fazer uma outra força política imaginem com quem. Era como se o presidente da Coreia do Norte quisesse ir ao cinema com o presidente Trump (EUA), era mais ou menos a mesma situação", afirmou num discurso a militantes e apoiantes em Lamego.

"Ou era como se o senhor Rajoy quisesse formar um partido político com o senhor Puigdemont, a probabilidade é exactamente a mesma", reforçou. Santana Lopes diz que não recebe “lições de combate no PPD-PSD e de amor ao PPD-PSD".

Horas mais tarde, em Viseu, voltou a ser confrontado com a polémica do dia. O antigo primeiro-ministro que quer voltar a liderar o PSD respondeu: “A campanha foi tão bonita que golpes, não vale a pena...”

Rui Rio também quer mandar no PSD e foi questionado se as declarações de Pacheco Pereira vêm dar mais força à sua campanha.

Em Santa Maria da Feira, à margem da uma visita ao Centro Social de São Tiago de Lobão, o antigo presidente da Câmara do Porto demarcou-se do episódio.

“Isso é um problema entre o dr. Santana Lopes e o sr. Pacheco Pereira. O que eu notei desde o início da campanha é que o dr. Santana Lopes andava ansioso por ter ali um debate com o dr. Pacheco Pereira e eu estava a ver que acabava a campanha e ele não conseguia ter o debate. Lá conseguiu. Sobre a conversa entre Santana e Pacheco é entre os dois”, disse Rui Rio aos jornalistas.

A onda de Santana. Rio vê PSD com nova vida

Os dois candidatos fazem um balanço “muito positivo” de três meses de campanha.

Santana Lopes correu “Portugal de lés a lés” e encontrou um PSD “mobilizado”. “Estou feliz pela decisão de me candidatar, sobretudo pela onda que vi pelo país todo”, disse.

Se ganhar as eleições, quer “unir o partido”, juntar as pessoas em “projectos mobilizadores”, para depois “partir para a conquista do país”.

Rui Rio considera que o país está a assistir a uma “revitalização do PSD”, com muitos militantes que andavam arredados das lides partidárias a regressarem.

"Quando os debates são moles..."

A campanha ficou marcada por duras trocas de acusações entre as duas candidaturas. As feridas podem ficar saradas? Os dois candidatos garantem que sim.

“Não saem grandes feridas. Há aquelas picardias e tal, mas compare esta campanha com a do PS e, aí sim, ficaram feridas que ainda hoje não estão saradas. Não me parece que no PSD isso vá acontecer. Pode sempre haver um caso ou outro, lá muito local, que eu desconheço”, afirma Rui Rio.

Santana Lopes considera que as polémicas “não prejudicaram” a campanha do PSD. “As pessoas gostam sempre dos dois lados. Não gostam muito de ver crispação exagerada, mas também quando os debates são moles ou são só programáticos dizem que o debate foi pouco interessante e pouco vivo. Quando dois candidatos se encontram frente a frente é natural que haja intensidade”, afirma o candidato.

As eleições no PSD estão marcadas para este sábado. Cerca de 70 mil militantes vão escolher o sucessor de Pedro Passos Coelho.

Falemos do Pê-pê-dê-PSD (ou do que eles disseram um do outro)
Falemos do Pê-pê-dê-PSD (ou do que eles disseram um do outro)
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • anónimo
    13 jan, 2018 port. 12:02
    Estes dois cão didatos a donos do PSD já têm bolor. Nenhum presta para coisa nenhuma, ou melhor, não passam de dois tachistas. A denuncia de PACHECO PEREIRA, o tal da extrema esquerda que para ter tacho vestiu a capa do PSD, revela bem o seu MAU CARACTER, que mesmo a ser verdade o que disse sobre Santana Lopes, deveria estar CALADO e só por isto, espero que Santana Lopes GANHE, embora para mim nada me importe com o PSD. Mas na verdade isto até parecia uma campanha para a eleição de um primeiro ministro. Mas pelo que se ouviu e viu, espero que os portugueses analisem o que são estes políticos, que na verdade, É GENTE DO PIORIO , QUE VIVE DA MENTIRA E DA CHULICE DE QUEM TRABALHA.
  • Filipe
    13 jan, 2018 évora 03:15
    A outra campanha PS foi de ataques pessoais , etc. ... esta a bem dizer mais parecia já uma campanha para eleger um 1º Ministro entre dois candidatos , nem pareciam do mesmo partido . Ora nem mais ! Esta eleição só diz respeito a quem paga quota no PSD , para aí uns 70 mil . Ora , são só estes que lhes interessa o que dizem estes dois senhores , os restantes 9 milhões e tal ... estão-se nas tintas para A ou B ! E até que este tipo de eleição só deveria estar consignada a tratar assuntos internos do partido e nem agora deveriam já tocar em assuntos de Portugal , porque os restantes 9 milhões e tal , estão impedidos agora de eleger alguma vontade . Portanto , fizeram até aqui uma campanha eleitoral virada para uns quantos decidirem por eleição o rumo a dar a Portugal , mais parecendo uma eleição de um Estado anárquico . Arrumem primeiro a casa e deixem as questões de Portugal para depois , assim devia ser se não quando lá chegarem um dia já estão GASTOS !