O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Novos horários avançam na Autoeuropa apesar da falta de consenso

12 jan, 2018 - 18:59

A partir de dia 29 deste mês, os trabalhadores da unidade de Palmela vão trabalhar aos sábados, numa decisão tomada pela administração da fábrica.
A+ / A-

Vão mesmo avançar os novos horários na Autoeuropa, apesar da falta de consenso entre a administração e os representantes dos trabalhadores.

A partir de dia 29 deste mês, os trabalhadores da unidade de Palmela vão trabalhar aos sábados, numa decisão tomada pela administração da fábrica.

Na próxima semana há mais duas reuniões com a administração. Fernando Gonçalves, da comissão de trabalhadores, assume que já não vão servir para discutir os horários.

Fernando Gonçalves afasta, para já, um cenário de greve na Autoeuropa.

“A greve é sempre a última coisa que nós fazemos. Temos que esgotar todas as possibilidades, mas eu continuo a acreditar que ainda é possível inverter a situação. Mas isto é a posição da Comissão de Trabalhadores. Vamos ter um plenário com os trabalhadores e dessa reunião algo vai sair para decidirmos o que fazer”, afirma o responsável da comissão de trabalhadores.

A divergência sobre os horários de trabalho arrasta-se há alguns meses. A comissão de trabalhadores rejeitou dois pré-acordos sobre os termos do trabalho ao sábado e da laboração contínua (três turnos diários) e foi mesmo realizada uma greve – considerada histórica por ser a primeira em 26 anos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • socas
    22 jan, 2018 guimaraes 22:32
    Mas estes trabalhadores andam a dormir ou são mesmo burros?Se acham que estão assim tão mal mudem de emprego!Parecem aqueles trabalhadores que dizem ganhar pouco e com poucas condições e muitas horas de trabalho mas não vão trabalhar para outro lado.Senhores trabalhadores da Auto Europa querem a minha modesta opinião?Cheguem a um acordo que seja bom para os dois lados ou ainda se vão arrepender muito.
  • José rodrigues
    22 jan, 2018 Gondifelos 22:10
    Patrões se lhes derem asas até obrigam os trabalhadores a trabalhar dia e noite 7 dias por semana e de preferencia a ganhar o mesmo , os patrões modernos querem voltar a fazer o mesmo que fazem os paises de leste e Ásia trabalhar por um prato de sopa e como muita gentinha aqui falou quer trabalhar trabalha não quer olho da rua . O povo já não dorme nem é analfabeto , querem ganhar milhões rua para outros paises .
  • Noémia Silva
    14 jan, 2018 Setúbal 15:56
    Mas quem disse que a CGTP com apoio do PC não garante regalias e vencimentos aos seus pontas de lança na destruição de empresas que CGTP acha bem liquidar.Na GM Azambuja os homens afectos à central sindical comunista não perderam nada,o dinheiro chegava a sua casa todos os meses.Os outros que não eram da linha da frente e íam atrás dos mestres do crime, ficaram sem emprego e receberam por algum tempo o subs.desemprego e depois ficaram a ver os carros passar, ou melhor alguns sem emprego por toda a vida.E os colegas da CGTP a rirem .Nada lhes faltava.Na auto europa os passos que estão a seguir é o mesmo.Por isso povo trabalhador da auto europa vejam bem nas que se estão a meter.Os da CGTP vão se safar agora os outros podem ficar sem emprego ao longo da vida.
  • isidoro foito
    12 jan, 2018 elvas 19:40
    Á pouco ouvi na RTP3 que hoje houve um plenário com 750sindicalistas da sgtp, (750) chulos, estes tipos estao a fazer de tudo para que a autoeuropa seja deslocada para Marrocos ou espanha ou até talvez Ásia , caso isso venha a acontecer os responsáveis deste sindicato deviam ser de imediato presos , pelos prejuízos dado ás exportações e aos milhares que ficam sem trabalho , nao só no parque de Palmela mas como PONTE DE SOE , CAMPO MAIOR e outras, talvez uns 7 ou 8 mil ,mas os próprios empregados da AUTOEUROPA nao devem ter direito a desemprego porque sao eles que estao a destruir o grande emprego que têm , que vao receber o vencimento ao comité central do PCP