O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Como, quem e onde vota o PSD? Perguntas e respostas sobre o duelo Rio-Santana

12 jan, 2018 - 18:17 • Paula Caeiro Varela

Os sociais-democratas escolhem este sábado o sucessor de Passos Coelho. Processo eleitoral envolve perto de três mil pessoas.
A+ / A-
Falemos do Pê-pê-dê-PSD (ou do que eles disseram um do outro)
Falemos do Pê-pê-dê-PSD (ou do que eles disseram um do outro)

Quem é que pode votar nas eleições directas do PSD?

Podem votar os militantes com quotas em dia, o que levou a um pagamento massivo de quotas nos últimos dias do prazo. Fechadas as contas, estão aptos a votar 70.385 militantes

Como é que se organizam as eleições directas?

“É uma logística muito grande no partido”, diz o secretário-geral, José Matos Rosa, responsável por toda essa organização. Em todo o país são montadas 396 mesas de voto. Em cada mesa de voto, vão estar três membros da mesa e vão estar dois delegados, um por cada lista. Ao todo, o acto envolve entre 2.800 a 3.000 pessoas.

Qual o horário das votações?

Os militantes podem votar entre as 14h00 e as 20h00 de sábado.

Como costuma ser a participação eleitoral?

Segundo Matos Rosa, têm votado em média 45 a 50 mil militantes. “Será o normal”, afirma este dirigente, que receia a chuva prevista para sábado. “Estou um bocado expectante, espero que a chuva não impeça os militantes do PSD de irem votar e que votem em massa”, deseja o secretário-geral.

Por género e por idade como é a composição do universo eleitoral do PSD?

Apesar de ter aumentando o número de militantes do sexo feminino, a diferença ainda é muito grande. No universo dos militantes aptos a votar, 25.347 são mulheres e 45.038 são homens. Em termos etários, 25.134 eleitores têm entre 18 e 40 anos; entre os 41 e os 60 anos são 24.753 militantes e com mais de 60 anos podem votar 20.498 pessoas.

Quanto custa este acto eleitoral?

Matos Rosa não dá números. “O acto eleitoral em si tem custos reduzidos porque tudo é feito internamente”, justifica o secretário-geral do PSD, explicando que usam as estruturas do partido e a única coisa que mandam fazer são as urnas de voto. As actas e os cadernos eleitorais são actualizados a nível central e enviados para as estruturas em carrinhas da sede nacional para as distritais e, depois, redistribuídos pelas concelhias. “Os custos são muito baixos, quase nulos”, remata Matos Rosa.

Como se fiscaliza?

A fiscalização já começou logo na fase de formalização de candidaturas. Os candidatos tiveram de entregar um dossiê com assinaturas de apoiantes que subscreveram a sua candidatura e as suas moções de estratégia. Tudo isso foi verificado pelo conselho de jurisdição nacional do partido. Aos conselhos de jurisdição distritais compete a fiscalização a nível concelhio do processo eleitoral. Em cada mesa, além dos elementos da mesa que foram escolhidos pela assembleia concelhia ou distrital ou, então, escolhidos na altura de abertura das urnas, estão dois delegados, um por cada candidatura, para que não existam dúvidas sobre o processo. Cada um desses delegados tem um suplente.

“Penso que o acto eleitoral vai decorrer bem e temos todos os condimentos para que possamos mostrar ao país e ao partido que estamos mobilizados para eleger o próximo líder e para que o próximo líder saia com reforço grande de apoio”, espera Matos Rosa.

Quando é que se sabe quem ganha?

Os resultados só devem ser conhecidos perto da meia-noite. A proclamação dos resultados será feita pelo conselho de jurisdição nacional e pela mesa do congresso, que vão acompanhar o processo na sede nacional do PSD, em Lisboa.

Ficará, então, escolhido o novo líder do PSD, mas a nova direcção terá de esperar pelo congresso do partido, marcado para 16, 17 e 18 de Fevereiro, onde será eleita a comissão política e o conselho nacional. Os delegados ao congresso são eleitos também este sábado em simultâneo com as eleições directas para a liderança.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 13 jan, 2018 01:17
    marta esta tanto frio que hoje resolvi tomar banho de banheira! agora tenho que ir meter os tarecos todos no sitio! cremes perfumes etc ,retirei tudo o calor faz mal aos produtos!
  • 13 jan, 2018 01:04
    3 x a camara do porto nao sabia essa?