O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Agricultores sem conta bancária começam a ser indemnizados pelos incêndios

08 jan, 2018 - 10:12

Mais de 20.600 agricultores candidataram-se aos apoios do Estado, que vão até aos cinco mil euros.
A+ / A-

Os agricultores sem conta bancária começam esta segunda-feira a receber as indemnizações pelos prejuízos que tiveram nos incêndios de 15 de Outubro.

O pagamento das indemnizações começou no dia 29 de Dezembro, para os agricultores com conta bancária, e termina agora, com o envio de vales postais para quem não tenha conta no banco.

Segundo uma nota do Ministério da Agricultura divulgada em Dezembro, 45% do valor pago nesta primeira fase (correspondente a 75% do valor total) destina-se a agricultores sem conta bancária, num total de 6.650 pessoas. Os outros (7.892) receberam o montante devido através de transferência bancária.

No total, o Governo vai pagar agora 37,68 milhões de euros. O restante (12,52 milhões) será pago "após a conclusão das acções de controlo em curso das candidaturas apresentadas", de acordo com a mesma nota.

Aos 37,68 milhões de euros agora pagos pelo Ministério da Agricultura acrescem 3,78 milhões pagos pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social a 6.025 agricultores que registaram prejuízos até 1.053 euros.

"Na totalidade, o Governo atribui o valor de 41,5 milhões de euros a 20.567 agricultores afectados pelos incêndios de 15 de Outubro com prejuízos até cinco mil euros", destaca o Ministério da Agricultura na nota de imprensa, na qual realça ainda a "dedicação dos funcionários do Ministério” e “o empenho das organizações de produtores e das autarquias envolvidas" para que tal fosse possível.

Mais de 20.600 agricultores candidataram-se aos apoios estatais, que oscilam entre os 1.054 e os cinco mil euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    08 jan, 2018 évora 23:41
    Tudo a mamar da vaca e dos impostos pagos pelo povo de Portugal , que apareçam muitos fogos em 2018 !
  • Eborense
    08 jan, 2018 Évora 19:21
    Claro que é economia paralela. Quando acaba? Nunca!
  • PALAVRA NÃO HONRADA
    08 jan, 2018 Lx 13:39
    O governo do pantomineiro kamarada Kosta diz que paga mas o dinheiro nunca chega a lado nenhum. Promessas leva-os o vento, kamarada Kosta. A palavra dada não é nem nunca foi honrada.Veja-se ainda o caso dos incêndios.Era até ao Natal mas o kamarada Kosta não disse de que ano...
  • Rui
    08 jan, 2018 Lisboa 12:17
    Este país é uma piada as empresas são obrigadas a ter conta bancária e apoios nem vê-los muda se para nome individual planta se pasto numa terra qualquer e é só esperar pelo chequinho que de seguida vai direto para um carro novo para o neto, maravilha.
  • Zé Pagante
    08 jan, 2018 Lisboa 11:51
    Agricultores sem conta bancária? Andam com o dinheiro dentro dum saco? A "economia paralela" no seu melhor. Quando é que isto acaba?