O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Governo e professores falham acordo. Fenprof promete Fevereiro de "luta"

03 jan, 2018 - 21:18

Ronda negocial extraordinária sobre progressão nas carreiras e regime de concursos sem "fumo branco".
A+ / A-

Governo e sindicatos dos professores terminaram esta quarta-feira sem acordo uma ronda negocial extraordinária sobre progressão nas carreiras e regime de concursos, com a Federação Nacional de Professores (Fenprof) a prometer formas de luta já em Fevereiro.

Em causa estão as normas para a progressão dos professores aos 5.º e 7.º escalões, tendo hoje a secretária de Estado Adjunta e da Educação recebido os sindicatos do sector, nomeadamente a Federação Nacional de Educação (FNE), na manhã de hoje, tendo o secretário-geral, João Dias da Silva, afirmado à Lusa que na reunião o Governo não alterou posições.

Na tarde de hoje foi recebida a Fenprof, ao mesmo tempo que cerca de uma centena de professores afectos à estrutura sindical se juntou em frente do Ministério da Educação, entoando palavras de ordem como "Transparência", "Justiça" ou "Professores unidos jamais serão vencidos".

Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, acusou na altura o Governo de querer impor regras "opacas" nos concursos de professores e de, ao não definir números para a progressão aos 5.º e 7.º escalões, deixar os professores sujeitos a discricionariedade. Os professores, disse, "têm que saber que anualmente há um mínimo de contingente" para esses escalões, que não são automáticos.

A Fenprof exige também uma "profunda revisão" dos concursos de professores e não apenas um concurso interno antecipado para resolver problemas pontuais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luque
    03 jan, 2018 Viseu 21:42
    Os professores da vergonha!!!! NÃO exigem progressao pela competência, sim por antiguidade?!?! Como verifica estudo recente, só os fracos e médios alunos dão professores!!!! Vergonha