O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Três meses depois dos incêndios. “É um filme que me passa pela cabeça e não me deixa dormir”

03 jan, 2018 - 16:41 • Liliana Carona

Entre os afectados, há muitas pessoas com necessidade de medicação. Em Seia, a autarquia e uma instituição local de solidariedade vão apoiar essas pessoas na comparticipação dos medicamentos.
A+ / A-

Aurora Barata, 75 anos, contabiliza os medicamentos: mais de duas dezenas de caixas, para ela e para o marido, que tem Alzheimer.

Desde o dia 15 de Outubro, nem Aurora nem o marido conseguem dormir sem ajuda de comprimidos. “São muitos medicamentos, durmo pouco, doí-me a cabeça, isto não vai passar. Quem viveu aquilo tudo, sem poder fazer nada... Estou na cama e parece que passa um filme. Se acordar às 4h30, já não durmo, é um filme que me passa pela cabeça... As outras pessoas também deve ser assim”, desabafa a moradora de Tourais, freguesia do concelho de Seia.

Mas não é só Aurora Barata, realojada na casa do filho, depois dos incêndios, que precisa de medicamentos. Várias dezenas de famílias vão ser apoiadas na comparticipação dos fármacos, ao abrigo de um protocolo estabelecido entre a autarquia e ums instituição de solidariedade.

“É um protocolo muito recente que a Câmara de Seia e a Associação Dignitude celebraram e que visa dar mais um contributo às pessoas que ficaram afectadas pelos incêndios", explica Odete Branquinho, assistente social da autarquia de Seia.

"As pessoas estão fragilizadas e, muitas vezes, têm que recorrer a mais suplementos. A pessoa tem um cartão, dirigi-se a uma farmácia e avia a receita pelo médico e não paga nada”, esclarece a responsável.

De acordo com a autarquia de Seia, o valor não comparticipado será financiado em 50% pelo município, sendo os restantes valores assegurados pelo "Fundo Solidário Abem", composto por uma rede de parcerias que assegura o circuito solidário do medicamento.

O programa ter uma duração prevista de três meses e é desenvolvido, gerido e operacionalizado pela Associação Dignitude, ficando a cargo da autarquia a referenciação das pessoas que irão beneficiar da medida de apoio.

Em Tourais, na moradia com o número 40 , restam os destroços do que foi um dia a casa de Aurora e Adriano, paredes meias com outras casas no mesmo estado de destruição. Os medicamentos ajudam a suavizar a dor mas não fazem apagar o trauma causado pelos incêndios de Outubro.

“O meu marido ainda hoje continua a querer ir para casa, não posso ter a porta aberta. 'Vais para onde?' 'Vou para minha casa', diz ele."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio A.M.Duarte
    04 jan, 2018 Caparica 16:08
    Sensibilizado pela iniciativa da autarquia e pela acção da Dra. Odete Branquinho, solidarizo-me com todos os projectos que possam minimizar os efeitos trágicos dos incêndios no concelho.