O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Irão

Protestos não têm motivação política, diz iraniano em Portugal

03 jan, 2018 - 12:19 • Henrique Cunha

O professor da Universidade do Minho Said Jalali, em Portugal há mais de 40 anos, defende que são as dificuldades económicas que motivam a contestação. "Há relatos de pessoas que passam mais de dois meses sem poderem comer carne", diz à Renascença.
A+ / A-
Porque é que os iranianos estão em protesto?
Porque é que os iranianos estão em protesto?

Os protestos e manifestações em curso no Irão não têm na sua origem motivações politicas, mas sim as dificuldades económicas e a carência das populações, diz à Renascença Said Jalali, um iraniano radicado em Portugal há mais de 40 anos e que é professor da Universidade do Minho.

"Há relatos de pessoas que passam mais de dois meses sem poderem comer carne”, sublinha o docente iraniano.

“Não me surpreende [a onda de protestos] porque creio que, desta vez, a vida das pessoas é tão difícil, tão difícil que já não aguentavam mais. Aliás, as manifestações não têm nenhuma motivação política, são mais uma queixa da sensação que tem havido sobre a gestão dos dinheiros do Estado."

Said Jalali chegou a Portugal em 1972, diz que “nunca" se sentiu "num país estranho” e que o seu “coração treme quando alguém fala português”. Por isso, o regresso ao Irão não está no seu horizonte.

“Enquanto o regime não mudar, não tenho intenção de voltar. Sou muito corajoso, mas não tanto. Realmente, nunca senti que estivesse num país estranho ou que fosse estranho no país. Onde vou, se oiço que alguém fala português, o meu coração logo treme e quero ir ter com ele e falar com ele. De facto, sentimo-nos absolutamente bem acolhidos no país. Não podia ter sido melhor", remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Catarina Lopes
    03 jan, 2018 Porto 14:32
    Agora imaginem o que sente um povo quando tem que recorrer ao lixo para comer alguma coisa, que é o que está a suceder na Venezuela.