A+ / A-

Polícia Marítima salvou quase mil migrantes e refugiados na Grécia em 2017

31 dez, 2017 - 17:13

A Polícia Marítima está na Grécia no âmbito de uma missão europeia para apoiar a guarda-costeira grega.
A+ / A-
Polícia Marítima resgatou quase mil pessoas das águas do Egeu 2017
Polícia Marítima resgatou quase mil pessoas das águas do Egeu 2017

Quase mil migrantes e refugiados de diferentes nacionalidades foram resgatados do Mar Egeu em oito meses pela equipa da Polícia Marítima que está em missão na ilha grega de Lesbos, indicou este domingo a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Em comunicado, a AMN adianta que a Polícia Marítima, em missão na ilha grega de Lesbos desde 01 de maio, detectou e retirou a salvo das águas do Mar Egeu 998 migrantes de diferentes nacionalidades que, neste “fluxo migratório irregular e arriscado por via marítima”, tentam entrar na Europa numa travessia entre a Turquia e Grécia.

Segundo a AMN, a Polícia Marítima realizou, entre Maio e Dezembro, 221 acções de patrulha no mar, totalizando 1.478 horas de navegação.

A AMN indica que também a viatura de vigilância costeira da Polícia Marítima, equipada com radar e câmaras de vigilância de imagem infravermelhos e térmica, realizou, no âmbito desta missão, 223 acções de vigilância, num total de 1.482 horas, 21 das quais de apoio a busca e salvamento marítimo de migrantes.

A Polícia Marítima está na Grécia desde 01 de maio de 2017 no âmbito de uma missão da Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia (FRONTEX) para apoiar a guarda-costeira grega.

Esta missão tem com objetivo controlar e vigiar as fronteiras marítimas gregas e externas da União Europeia no combate ao crime transfronteiriço, no âmbito das funções de guarda-costeira europeia.

Segundo a AMN, está previsto o prolongamento desta missão até 31 de Janeiro de 2018.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • iFernando
    31 dez, 2017 Porto 18:21
    Transporte marítimo de passageiros, será mais correcto. Recolhem os passageiros na costa Africana e transportam para a Grécia e Italia.
  • Filipe
    31 dez, 2017 évora 17:50
    Fabuloso se fossem pescadores e banhistas Portugueses , pois cá morrem ao pé da areia e por aí quero lá saber ! Quantos Portugueses vivem na Síria ?