O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

É preciso “ler com atenção” a mensagem do Papa para o Dia Mundial da Paz

29 dez, 2017 - 11:56 • Ângela Roque

A Comissão Nacional Justiça e Paz, diz que o “novo olhar” sobre o fenómeno migratório, proposto por Francisco, merece reflexão de todos, ainda mais em Portugal que é, em simultâneo, um país de emigrantes e de acolhimento.
A+ / A-

O drama dos migrantes e refugiados é o tema central da mensagem do Papa para o Dia Mundial da Paz, que se assinala a 1 de Janeiro. A mensagem já foi divulgada no final de Novembro, mas a Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP) aconselha a sua leitura atenta.

Nela Francisco critica quem fomenta o medo e a xenofobia contra quem chega, e diz que as migrações são, afinal, uma “oportunidade para construir um futuro de paz”. É este “novo olhar” sobre o fenómeno migratório que a Comissão considera importante sublinhar, ainda mais nesta altura em que “em diversos países, se reforçam correntes hostis”, sublinha a nota divulgada esta sexta-feira.

Citando a mensagem do Papa, a CNJP lembra que os migrantes e refugiados são, para muitos, “uma ameaça”, mas os que “fogem da guerra, da fome ou da opressão”, e que “estão prontos a arriscar a vida numa viagem que se revela, em grande parte dos casos, longa e perigosa”, o que procuram é, afinal, a paz.

Lembrando que já há 50 anos, na encíclica “Popolorum Progressio”, Paulo VI dizia que “o desenvolvimento é o novo nome da paz”, e que também o Papa emérito Bento XVI afirmou que “todos têm o mesmo direito de usufruir dos bens da terra, cujo destino é universal, como ensina a doutrina social da Igreja”, o Papa Francisco defende na sua mensagem que os migrantes “contribuem para o desenvolvimento, quer dos países de origem, quer dos países de destino”, onde “não chegam de mãos vazias: trazem uma bagagem feita de coragem, capacidades, energias e aspirações, para além dos tesouros das suas culturas nativas, e deste modo enriquecem a vida das nações que os acolhem”.

A Comissão Nacional Justiça e Paz espera que as palavras do Papa “tenham um particular eco em Portugal, marcado pela emigração desde há séculos (e que dela tanto beneficiou e continua a beneficiar) e também, mais recentemente, pela imigração”, que também tem beneficiado o país.

A nota da CNJP faz, ainda, referência aos dois “pactos globais sobre migrações (seguras, ordenadas e regulares) e refugiados”, que se espera que em 2018 sejam aprovados no âmbito das Nações Unidas, porque tal como o Papa Francisco lembra na sua mensagem para o Dia Mundial da Paz, o fenómeno migratório vai continuar “a marcar o nosso futuro”, o que exige “soluções globais, não isoladas ou unilaterais”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.