O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​O que vai acontecer a pensões, subsídio de desemprego, abono e RSI em 2018

27 dez, 2017 - 16:22 • Lusa

Várias prestações sociais aumentam no próximo ano, entre as quais as pensões, o subsídio de desemprego e o abono, mas a idade da reforma volta a subir e o factor de sustentabilidade mantém-se para a maioria das pensões antecipadas.
A+ / A-

Veja também:


PENSÕES COM AUMENTOS ATÉ 1,8%

As pensões vão aumentar por via legislativa, entre 1% e 1,8% em Janeiro, segundo cálculos feitos com base nos valores da inflação publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

As pensões até dois Indexantes de Apoios Sociais (IAS), ou seja, até 857,8 euros, onde se inclui a maioria dos pensionistas, aumentam 1,8% em Janeiro. Já as pensões entre duas vezes e seis vezes o valor do IAS (entre 857,8 euros e 2.573 euros) serão actualizadas em 1,3%, enquanto as pensões superiores a este montante deverão ter um aumento de cerca de 1%.

Segundo o Governo, cerca de 3,6 milhões de pensões, a que correspondem um total de 2,8 milhões de pensionistas, serão actualizadas em Janeiro, com um impacto financeiro de cerca de 357 milhões de euros.

Além deste aumento, em Agosto haverá uma subida extraordinária entre seis e dez euros para pensionistas que recebam, no conjunto das pensões, até 643 euros, consoante tenha ou não existido actualização da pensão entre 2011 e 2015.

Este aumento extraordinário incorpora a actualização de Janeiro e será aplicado a quem o conjunto das pensões não exceda 1,5 IAS, chegando a 1,6 milhões de pessoas. O custo com esta medida é estimado em 35,4 milhões de euros.

AUMENTO DA IDADE DE REFORMA

No próximo ano, a idade normal de acesso à reforma volta a aumentar, fixando-se nos 66 anos e quatro meses. Além disso, mantém-se o factor de sustentabilidade para a grande maioria das reformas antecipadas que sofrem um corte de 14,5% devido ao factor de sustentabilidade.

A esta redução pela via do factor de sustentabilidade soma-se o corte de 0,5% por cada mês de antecipação face à idade normal de aposentação (66 anos e quatro meses em 2018).

O fim do factor de sustentabilidade chegou a constar dos documentos do Ministério do Trabalho enviados aos parceiros sociais em Abril de 2017, mas a medida não foi concretizada até agora, não se sabendo quando será retomada a discussão sobre a segunda fase da revisão das reformas antecipadas.

O factor de sustentabilidade foi, entretanto, eliminado apenas para as carreiras muito longas, ou seja, para as pessoas com 60 anos de idade e 48 anos de contribuições ou para quem começou a trabalhar antes dos 15 anos e conte 64 anos de descontos. Também as pensões de invalidez deixam de ter o factor de sustentabilidade a partir dos 65 anos.

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO DEIXA DE TER CORTE

O subsídio de desemprego vai deixar de ter o corte de 10% que estava a ser aplicado após 180 dias a receber a prestação social. Segundo dados do Governo, em Janeiro a medida custará cerca de 40 milhões de euros e vai beneficiar 91 mil beneficiários que estavam a sofrer esta redução. Além disso, os valores mínimo e máximo do subsídio de desemprego sobem no próximo ano devido à actualização em 1,8% do Indexante de Apoios Sociais (IAS), para 428,9 euros e 1.072,25 euros, respectivamente.

Também o subsídio social de desemprego, atribuído a quem já esgotou o subsídio de desemprego ou a quem não reúne as condições de o obter também sobe devido à actualização do IAS, para 428,9 euros, no caso de beneficiários com agregado familiar e para 343 euros para os beneficiários a viver sozinhos.

ABONO SOBE PARA 126 MIL CRIANÇAS

O abono de família vai voltar a aumentar no próximo ano para as crianças até 36 meses, no âmbito da medida que entrou em vigor em 2017 e que estabelece uma subida gradual desta prestação familiar até 2019. Segundo dados do Governo, a medida tem um custo de 70 milhões de euros no próximo ano e irá abranger 126 mil crianças.

Segundo um documento divulgado em Outubro pelo Ministério do Trabalho, as crianças até 12 meses que se encontram no primeiro escalão de rendimentos passam a receber por mês 148 euros (contra os actuais 146 euros), entre 12 e 36 meses passam a ter direito a 92 euros no primeiro semestre (contra os actuais 73) e a 111 euros no segundo semestre. O objectivo é que, em 2019, todas as crianças até 36 meses, do primeiro escalão, recebam 148 euros.

Já no segundo escalão de rendimentos, o abono será de 122 euros para crianças até 12 meses (contra 121 euros actuais), de 76 euros entre 12 e 36 meses no primeiro semestre (passando para 92 euros no segundo semestre), para que, em 2019 todas as crianças do segundo escalão recebam 122 euros.

No terceiro escalão, os valores são de 96 euros para crianças até 12 meses, de 62 euros entre 12 e 36 meses no primeiro semestre, aumentando para 73 euros na segunda metade do ano. No final de 2019, todas as crianças do terceiro escalão até aos 36 meses passam a ter direito a 96 euros.

As crianças que se situam no quarto escalão terão direito a receber no primeiro semestre do ano 29 euros (contra os actuais 18,9 euros) e no segundo semestre 38,27 euros. No segundo semestre de 2019, o valor será de 57,6 euros para todas as crianças até 36 meses que se encontram neste escalão.

Os valores do abono serão ainda aumentados pela actualização do IAS e as famílias monoparentais e numerosas têm direito a uma majoração.

REPOSTO 25% DO CORTE NO RSI

Ao nível do Rendimento Social de Inserção (RSI), segundo o Orçamento do Estado para 2018, serão repostos mais 25% dos cortes que foram aplicados pelo anterior Governo a partir de 2013, tal como acontece desde 2016. O valor de referência desta prestação social é actualmente de 183,84 euros, mas o montante mensal não é fixo, variando consoante a composição do agregado familiar e dos seus rendimentos. O valor poderá ainda ser aumentado devido à actualização do IAS.

A despesa com o RSI deverá aumentar 3% no próximo ano, para 357,3 milhões de euros, segundo dados do Ministério da Segurança Social.

COMPLEMENTO ALARGADO A REFORMAS ANTECIPADAS

O valor de referência do Complemento Solidário para Idosos (CSI) será actualizado a partir de 1 de Janeiro de 2018 e quem se reformou antecipadamente a partir de 2014, com fortes penalizações nos últimos anos, poderá aceder a esta prestação social, independentemente da idade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Rocha
    02 jan, 2018 Porto 15:46
    Propaganda!.... Será que o aumento de Pensões sai do Orçamento de Estado?.....Claro que não!....Sai do Centro Nacional de Pensões e do "IGFSS" Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, financiado pelas contribuições dos Trabalhadores, alem disso o aumento equivalente à inflação do ano anterior é obrigatório por lei, o que na prática quer dizer que é zero.....
  • desilusão
    28 dez, 2017 Santarém 23:27
    Simples, os aumentos nos salários e pensões não vão chegar para cobrir os aumentos do custo de vida imposto pela subida dos preços dos bens a adquirir.
  • Francisco Pereira
    27 dez, 2017 Vilar de Andorinho 21:09
    E quanto aos reformados que continuam a trabalhar e a efectuar descontos que, tinha direito a um aumento extraordinário face aos descontos efectuados, mas foi retirada essa pequena dádiva. Vão repôr a situação ?
  • pedro raposo
    27 dez, 2017 ponta delgada 19:57
    O IAS.'??????????????
  • Henrique
    27 dez, 2017 Ermesinde 19:03
    Gostava de saber se tenho que levar o fundo de desemprego até ao fim, já tenho 60 anos e comecei a descontar aos 14 anos. Obrigado
  • lagido
    27 dez, 2017 Peniche 17:42
    Há que aguentar. Uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma.Foram só 14,8 mil milhões...