O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Escócia. Governo britânico mostrou “incompetência"

07 dez, 2017 - 23:13

Nicola Sturgeon deixou fortes críticas sobre a forma como está a ser negociado o “Brexit”.
A+ / A-

A primeira-ministra escocesa acusa o governo britânico de "incompetência" na gestão da saída da União Europeia, o designado 'Brexit', concluindo pela necessidade da independência da Escócia, dada as dificuldades de Londres nas negociações com Bruxelas.

"Esta semana, o governo conservador, aliás a aliança entre o partido conservador e o DUP (sigla em Inglês do Partido Unionista Democrático, protestantes da Irlanda do Norte) mostrou-se fingida, mentirosa e totalmente incompetente", declarou Nicola Sturgeon, perante os deputados escoceses, em Edimburgo.

"Mais do que ter o nosso futuro nas nossas mãos, estamos à mercê do governo conservador. Temos de recuperar o controlo do nosso destino, e quanto mais cedo, melhor", insistiu.

Na segunda-feira, em Bruxelas, a primeira-ministra britânica, Theresa May, parecia estar prestes a obter um acordo sobre as principais modalidades de divórcio com a União Europeia, antes de o seu aliado no parlamento, o DUP, se opor ao tratamento particular que teria sido acordado à Irlanda do Norte, para evitar a instauração de uma fronteira com a vizinha República da Irlanda.

Com 10 deputados em Westminster, os ultraconservadores do DUP são aliados dos conservadores de May, que não têm a maioria absoluta na Câmara dos Comuns desde as legislativas de Junho.

Sturgeon afirmou que a sua prioridade era a manutenção do Reino Unido no mercado único, apesar do 'Brexit', o que conservadores já afastaram.

A chefe do governo escocês já apelou ao líder da oposição britânica, o trabalhista Jeremy Corbyn, considerando que era possível obter uma maioria neste assunto no parlamento de Westminster.

Em Junho de 2016, a Escócia tinha votado pela manutenção na União Europeia, com 62%. Em outro referendo, em 2014, os escoceses exprimiram-se, por 55%, pela permanência no Reino Unido.

Depois, Nicola Sturgeon, que também lidera o partido independentista SNP, mencionou por várias vezes a possibilidade de organizar um novo referendo sobre a independência da Escócia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.