O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

UE. Anúncio de Trump pode trazer "tempos mais sombrios"

07 dez, 2017 - 12:47

Alta Representante para a Política Externa da UE lembra que o contexto da região “é muito frágil”.
A+ / A-

A chefe da diplomacia da União Europeia (UE) disse que a decisão do Presidente dos EUA de reconhecer Jerusalém como capital israelita, pode levar a “tempos ainda mais sombrios”.

O anúncio do chefe de Estado norte-americano pode “levar-nos a tempos ainda mais sombrios do que os que vivemos hoje”, disse Federica Mogherini, numa conferência de imprensa em que reiterou que a UE defende a solução de Jerusalém como capital dos dois Estados de Israel e da Palestina.

“O anúncio do Presidente Trump sobre Jerusalém tem um impacto potencial muito preocupante”, acrescentou, sublinhando que o contexto da região “é muito frágil”.

A Alta Representante para a Política Externa da UE reiterou que os 28 têm “uma posição muito clara e unida”, a de que “a única solução realista para o conflito entre Israel e a Palestina se baseia em dois Estados, com Jerusalém como capital”.

Trump, Médio Oriente, Jerusalém. A história de um equilíbrio de forças frágil
Trump, Médio Oriente, Jerusalém. A história de um equilíbrio de forças frágil

Mogherini salientou ainda a importância de se evitar uma escalada da violência, saudando o apelo de Trump ao reconhecimento do ‘status quo’ dos lugares santos de Jerusalém.

O líder norte-americano anunciou na quarta-feira que os Estados Unidos reconhecem Jerusalém como capital de Israel e afirmou que irá dar ordens ao Departamento de Estado para mudar a embaixada dos EUA de Telavive para aquela cidade. Este anúncio representa uma ruptura com décadas de neutralidade da diplomacia norte-americana na questão israelo-palestiniana.

O Hamas já apelou a uma nova Intifada (revolta popular). "Devemos lançar e trabalhar no lançamento de uma Intifada contra o inimigo sionista", disse o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, num discurso em Gaza, citado pela agência Reuters.

O Conselho de Segurança da ONU vai reunir-se de urgência esta sexta-feira, depois de Trump ter reconhecido Jerusalém como a capital de Israel, anunciou a presidência japonesa do órgão. Oito países que estão contra a decisão do Presidente dos Estados Unidos solicitaram o encontro de urgência do Conselho de Segurança ao Japão, que preside este mês o órgão, pedindo que António Guterres, secretário-geral da ONU, que informe os 15 membros do conselho.

Palestina e Israel não chegam a um acordo sobre as fronteiras no interior da cidade de Jerusalém. Como tal, nenhum estado optou por reconhecer a cidade como capital de Israel, com receio de que tal fosse encarado como uma tomada de partido pelos israelitas, podendo fazer descarrilar qualquer esforço de paz.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.