A+ / A-

Um desafio de Natal aos católicos: abram o coração aos refugiados

06 dez, 2017 - 19:38 • Ecclesia

O apelo parte do presidente da confederação internacional da Cáritas. "Atrevemo-nos a abrir os nossos olhos e corações a estas crianças?"
A+ / A-

O presidente da confederação internacional da Cáritas, cardeal Luis Antonio Tagle, desafiou os católicos a abrir o coração aos refugiados neste Natal, deixando um apelo à solidariedade.

“O Menino Jesus, tão pequeno e vulnerável, chama-nos a olhar as crianças nascidas em acampamentos, nas fronteiras, marginalizadas das nossas sociedades, com olhares novos e audazes. Atrevemo-nos a abrir as nossas portas? Atrevemo-nos a abrir os nossos olhos e corações a estas crianças?”, questiona o cardeal filipino, na mensagem de Advento divulgada pela Caritas Internationalis.

O responsável católico sublinha que Jesus nasceu numa zona desfavorecida, de “periferia”, numa “família de migrantes” que, pouco depois, se tornou refugiada.

“Enquanto esperamos o nascimento de Jesus, somos chamados a abrir os nossos olhos e corações à possibilidade da esperança. Somos lembrados de que Deus está connosco, no caminho da nossa vida, e também nós estamos chamados a acompanhar os outros na sua caminhada”, assinala o cardeal Tagle.

O presidente da confederação internacional da Cáritas convida a dar um “presente de Natal” à organização católica para o seu trabalho com os migrantes e refugiados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mario
    06 dez, 2017 Portugal 20:45
    Grande hipocrisia, quando eles recebem subsídios, com casa posta e todas as ajudas e os próprios Europeus dormem nas ruas e comem nos caixotes do lixo.....