A+ / A-

António Costa admite construir novas barragens

06 dez, 2017 - 18:45

O governante deixou no Parlamento uma série de medidas para ajudar a combater a seca.
A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro confirma que há “um conjunto de medidas que estão a ser avaliadas” para ajudar a combater a seca em Portugal.

Durante o debate quinzenal no Parlamento, António Costa refere que está a ser avaliada “a possibilidade de interligação das grandes barragens e albufeiras de maior capacidade para a regularização, o aumento do armazenamento das barragens, a possibilidade de construção de novas barragens".

Costa começou por referir que este é o período de seca mais grave em Portugal "nos últimos 80 anos" e elencou as medidas adoptadas pelo executivo desde Maio, como "uma linha de crédito garantida para a diminuição dos efeitos da seca, com o montante global cinco milhões de euros, podendo o montante para cada beneficiário ascender aos 15 mil euros".

O primeiro-ministro disse ainda que o Governo está a pensar "actualizar o programa nacional de utilização eficiente da água", a analisar "a reutilização da água residual" e "o plano de contingência para cada região hidrográfica de forma a responder de uma forma mais eficaz a esta situação muito grave".

Entre as medidas já adoptadas pelo Governo, António Costa mencionou também o "apoio à aquisição de alimentos no montante de dois milhões de euros, disponível em 44 municípios afectados pelos incêndios dos dias 15 e 16 de Outubro" e" um adiantamento de cerca de 70% de fundos comunitários que já permitiram fazer chegar 500 milhões aos agricultores".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.