O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Morreu Johnny Hallyday, lenda da música francesa

06 dez, 2017 - 07:17

Era considerado o pai do rock & roll francês e não resistiu a um cancro.
A+ / A-

Morreu, esta quarta-feira, em Paris, Johnny Hallyday, considerado o pai do rock & roll francês. Tinha aos 74 anos.

“Johnny Hallyday partiu. Escrevo estas palavras sem acreditar. Ele deixou-nos esta noite como venceu tudo ao longo da sua vida, com coragem e dignidade”, escreveu a sua mulher, Laeticia, num comunicado.

Influenciado por Elvis Presley, o cantor foi considerado uma lenda por muitos e entusiasmou gerações. Gravou cerca de 40 álbuns, vendeu 100 millhões de discos e participou também no cinema.

Hallyday não resistiu a um cancro no pulmão, doença que anunciou publicamente em Março.

Nos últimos anos, a sua saúde era frágil devido aos excessos de álcool, drogas e tabaco. Em Dezembro de 2009, foi hospitalizado nos Estados Unidos, tendo-lhe sido provocado coma induzido devido a um grave problema respiratório.

Em Novembro deste ano, foi hospitalizado de urgência devido a uma insuficiência respiratória, tendo sido submetido a uma nova sessão de quimioterapia.

Morreu esta madrugada na sua casa em Marnes-la-Coquette, Oeste de Paris, para onde foi transferido após ter deixado uma clínica da capital francesa onde esteve internado seis dias.

O “Elvis francês”

Jean-Philippe Léo Smet era o seu verdadeiro nome. Nasceu em Paris, numa França ocupada, em 1943. Filho da modelo Huguette Clerc e do artista belga Léon Smet, viveu em Londres com a tia e o marido desta, um artista de variedades a quem “roubou” o nome artístico.

Conhecido como o "Elvis francês" era sempre comparado em França com o “rei”. Foi precisamente o tema "Loving You", do seu ídolo Elvis Presley, que o levou a decidir que queria ser cantor e tocar em estabelecimentos nocturnos.

Em 1960, Johnny Hallyday publicou o primeiro álbum: "Hello Johnny". Um ano depois, sai o grande êxito discográfico, uma versão francesa de "Let's Twist Again", intitulada "Viens danser le twist", que se tornou disco de ouro.

A partir de então, consolidou a sua popularidade, vertendo temas clássicos do rock & roll para francês e lançou álbuns como "Jeune Homme, Rivière... Ouvre ton Lit y Vie".

Hallyday foi uma das maiores estrelas francesas, com uma carreira de mais de 50 anos e mais de 900 canções, com 100 milhões de discos vendidos.

Entre os seus temas de rock & roll contam-se "Rester vivant", "O Carole" e "Noir c'est noir", a versão francesa de "Black is black", de Los Bravos. Também "Au Café de l'Avenir", "Oh! ma jolie Sarah", "Gabrielle", "La fille de l'été dernier", "Allumer le feu" ou os clássicos "Mystery Train" ou "Blue Suede Shoes".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • florinda batista
    06 dez, 2017 vila nova de gaia 19:31
    foi com grande pena que recebi esta noticia era um grande senhor todos os meus pessamos
  • Vera
    06 dez, 2017 Palmela 10:15
    Óh! mon ami! je suis triste pour toi!