O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Falar Claro

Sócrates nunca perdeu eleições, diz Vera Jardim

24 mar, 2011

O dirigente socialista Vera Jardim sublinhou que José Sócrates nunca perdeu eleições e que tem  toda a legitimidade para se candidatar de novo uma vez que a única solução para a actual situação política  gerada pela demissão do primeiro-ministro “é dar a voz ao povo”.
Sócrates nunca perdeu eleições, diz Vera Jardim

Em declarações numa edição especial do programa Falar Claro, da Renascença, dedicada à crise política, o vice presidente da Assembleia da República deixou aclaro que o actual primeiro ministro tem toda a legitimidade para ser o candidato do partido nas próximas eleições.

Sócrates nunca perdeu eleições, diz Vera Jardim

“O engenheiro José Sócrates não perdeu nenhuma eleição. Ele ganhou as últimas eleições e aí está a raiz de toda esta problemática . É ele ter ganho as últimas eleições e, portanto. Tem toda a legitimidade. É candidato”, afirmou.

O deputado socialista e antigo ministro admitiu, no entanto, que teria preferido “outros procedimentos” do governo que negociou o PEC em Bruxelas sem ter consultado a oposição e o Presidente da República

“Preferia que tivessem seguidos outros tipos de procedimentos mais consensuais do governo, mais dialogantes, etc. Isso também faz parte do jogo democrático. Isso não existiu mas isso foi colmatado”, acrescentou.

Para sair da actual crise política Vera Jardim considera inevitável a realização de eleições antecipadas, embora deixe em aberto que sejam encontradas soluções que permitam ao país cumprir os compromissos com Bruxelas antes da consulta popular.

Inevitável eleições é. Não vejo outra maneira de resolver o problema se não dar voz ao povo. É a democracia a funcionar. Agora que possam ser encontradas soluções, não sei quais, vamos esperar calmamente, para que possa ser possível um conjunto de obrigações que temos para com os nossos parceiros europeus mesmo com eleições, não vou adiantar cenários más é uma abertura que aí existe”, sublinhou

Para o dirigente socialista um dos problemas fundamentais da política portuguesa é o ódio a José Sócrates.

“O problema está no ódio, essa história há-de ser feita, ao primeiro-ministro José Sócrates. O problema está aqui. É uma longa história que dura desde que Sócrates ganhou as primeiras eleições que teve os seus desenvolvimentos que todos conhecemos. Este é o problema fundamental da política portuguesa. Há outros é evidente”, concluiu.

Nuno Morais Sarmento: Não é liquido que Cavaco convoque eleições imediatamente”

Já o social-democrata Nuno Morais Sarmento destaca que Sócrates será o primeiro chefe de governo em funções a ser corrido pelo eleitorado desde o 25 de Abril admitindo que o Presidente da República poderá não convocar eleições imediatamente.

“O presidente não é um mero funcionário administrativo que marca eleições. Se alguma alternativa ainda importa considerar para lá deste que é o desenho traçado por Sócrates que é irmos direitos às eleições e provocar uma crise antes da chegada da Europa, eu acho que a única variável que ainda não temos consolidada é o comportamento do Presidente da República. Eu não tenho como adquirido que Cavaco silva comunique ao país que vamos ter eleições imediatamente”, referiu.

Para o antigo ministro de Durão Barroso Sócrates vai inovar porque vai tornar-se o primeiro chefe de governo em funções a ser corrido pelo eleitorado.

“Vamos ter pela primeira vez, desde o 25 de Abril, que um primeiro-ministro em funções perde eleições. Nunca aconteceu em Portugal. Vai acontecer pela primeira vez com José Sócrates. Até nisso ele vai inovar. Vai ser o primeiro a ser corrido pelo eleitorado”, concluiu.