Projecto Rumo Seguro ajuda doentes de Alzheimer a chegar a casa

11 jul, 2012

O desaparecimento de idosos é um problema cada vez mais preocupante, em Portugal até porque muitos deles vivem isolados.
Projecto Rumo Seguro ajuda doentes de Alzheimer a chegar a casa
Do total de desaparecimentos registados pela GNR em 2011, 10% são pessoas com mais de 65 anos. Dos 211 idosos que desapareceram o ano passado, apenas 74% foram encontrados.

A doença de Alzheimer é muitas vezes a causa de desaparecimento dos idosos e é para esses casos que existe o projecto Rumo Seguro, que resulta de uma parceria do ministério da Saúde e da PSP.

“É uma situação frequente para doentes de Alzheimer, que saem para dar um simples passeio mas a dada altura ficam sem qualquer referência do espaço onde se encontram e é são incapazes de voltar para casa. É nessas situações que o Rumo Seguro pode dar uma ajuda”, explica Luís Duarte, um dos técnicos do projecto.

“O princípio básico do Rumo Seguro é permitir uma rápida identificação do Cuidador da pessoa portadora da Doença de Alzheimer que anda a deambular, bem como o reencaminhamento fácil e seguro desta para junto da sua família”, pode ler-se no site oficial.

“O acesso à identificação do Cuidador é realizado mediante um código individual, atribuído no momento da inscrição deste no programa Rumo Seguro, o qual está impresso no objecto de uso pessoal (colar com medalha ou pulseira) que deve ser permanentemente transportado pela pessoa portadora da Doença de Alzheimer”, diz ainda.

Para o técnico Luís Duarte o Rumo Seguro, além de proteger o idoso, assegura também o factor calmante no cuidador: “É mais um mecanismo de auxílio ao cuidador. No mínimo é uma ferramenta que o cuidador tem ao seu dispor para que possa aliviar o peso de ter uma pessoa a seu cargo nestas condições”.

O desaparecimento de idosos é um problema cada vez mais preocupante, em Portugal até porque muitos deles vivem isolados.