O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Papa volta a condenar e a lamentar abusos sexuais

17 jun, 2012 • Eunice Lourenço, com Ecclesia 

Bento XVI deixou mensagem no Congresso Eucarístico Internacional.
Papa volta a condenar e a lamentar abusos sexuais

O Papa Bento XVI voltou a condenar e a lamentar os casos de abusos sexuais cometidos por membros da Igreja Católica. Numa mensagem ao Congresso Eucarístico Internacional (CEI), que terminou este domingo em Dublin, Bento XVI disse que os padres e consagrados que cometeram abusos atentaram contra as pessoas confiadas aos seus cuidados e “minaram a credibilidade da mensagem da Igreja”.

Para o Papa, continua a ser “um mistério” que pessoas, que “regularmente receberam o Corpo do Senhor e confessaram os seus pecados no sacramento da Penitência”, tenham “incorrido em tais transgressões”.

“O seu cristianismo já não era alimentado pelo encontro jubiloso com Jesus Cristo: tornara-se meramente uma questão de hábito”, disse, numa na mensagem vídeo que foi vista por milhares de pessoas.

O Papa dirigiu uma palavra particular aos católicos da Irlanda, “herdeiros duma Igreja que foi uma poderosa força de bem no mundo e que transmitiu a muitos e muitos outros um amor profundo e duradouro a Cristo e à sua Mãe Santíssima”, mas que “ foram recentemente abaladas de maneira horrível pela revelação de pecados cometidos por sacerdotes e consagrados”.

Também o Cardeal Sean Brady, primaz da Irlanda, fez um emotivo pedido de perdão às vítimas de abusos. “Que Deus nos perdoe pelas vezes em que, quer como indivíduos, quer como Igreja, falhámos na nossa missão de proteger e cuidar daqueles que estavam assustados, sozinhos e em sofrimento por causa de abusos”, afirmou o cardeal na homília da missa de ontem.

Papa: "Há muito a fazer na senda de uma real renovação litúrgica"
O CEI de Dublin reuniu milhares de peregrinos de vários países, incluindo Portugal, para debaterem o tema ‘A Eucaristia: Comunhão com Cristo e entre nós’, retomando os ensinamentos do II Concílio do Vaticano (1962-1965).

O congresso, iniciado no último dia 10, concluiu-se com uma missa presidida pelo cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação dos Bispos e legado papal ao encontro, que durante o encontro se reuniu com vítimas de abusos sexuais.

Na sua mensagem final, o Papa convidou à reflexão sobre a Igreja “como mistério de comunhão” e afirmou que “há muito a fazer na senda de uma real renovação litúrgica”.

Bento XVI recordou que o CEI decorreu num período em que a Igreja se prepara, em todo o mundo, para celebrar o Ano da Fé, que assinalará o cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II.

A Eucaristia, acrescentou, “deve ser celebrada com grande alegria e simplicidade, mas também de forma quanto possível digna e reverente”.

O Papa anunciou ainda que o 51.º Congresso Eucarístico Internacional (CEI) vai decorrer em 2016 na cidade filipina de Cebu.