Ribeiro Cristóvão

Contrastes

18 set, 2014 • Ribeiro Cristóvão

Enquanto para os leões não vai ser fácil ir muito longe na Liga dos Campeões, os dragões têm boas razões para permanecerem confiantes.
A jornada da Liga dos Campeões da última noite deixou claramente à vista a diferença que marca as duas equipas portuguesas que estiveram em acção.
De um lado, um Futebol Clube do Porto forte e personalizado, servido por jogadores de grande qualidade, do outro o Sporting longe de poder garantir sucesso numa época exigente, dadas as fragilidades que são perceptíveis, sobretudo no seu sector defensivo.

E foi aí que assentou a incapacidade leonina para poder regressar da Eslovénia com mais dois pontos, que justificou, mas que os seus defesas-centrais impediram tenham feito parte da bagagem de retorno a Lisboa.

Porém, não é apenas nesse sector que se descortinam carências às quais o Sporting fica a dever a perda de pontos. Vários dos seus jogadores, que até realizaram uma pré-temporada de apreciável qualidade, têm-se revelado, nos últimos jogos, sem rasgo e sem capacidade para ajudar a chegar a objectivos que parecem cada vez mais distantes.

Sabendo-se de antemão não ser fácil ir muito longe na Liga dos Campeões, a aposta maior incide sobretudo no apuramento para a Liga Europa.
Veremos, mais tarde, se o falhanço com o Maribor não comprometeu também essa aspiração.

Ao contrário, o Futebol Clube do Porto, mesmo defrontando um adversário acessível, curou de fazer depressa e bem o trabalho de casa.
E foi assim capaz de construir uma goleada que fica para a história, conseguida através de uma excelente exibição, que permite tornar possível o sonho de um trajecto vitorioso na actual fase de grupos.

Os portistas ficaram, por isso, com boas razões para permanecerem confiantes.