O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar GOO GOO DOLLS - IRIS Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisPodcast

UNICEF

Portugal é “exemplo notável” na redução da mortalidade infantil

Entre 1990 e 2011, a taxa de mortalidade das crianças com menos de cinco anos diminuiu 77%.
13-09-2012 6:44
Imprimir Enviar por E-mail Fonte Aumentar Letra Diminuir Letra
Portugal está entre os dez países do mundo com a mais baixa taxa de mortalidade de crianças até aos cinco anos, segundo o relatório anual da UNICEF , que sublinha as melhorias alcançadas
a nível mundial.

"Há muito para celebrar. Mais crianças sobrevivem agora ao 5º aniversário. O número global de mortes antes dos cinco anos desceu de 12 milhões, em 1990, para cerca de 6,9 milhões, em 2011. Todas as regiões registaram reduções nas últimas duas décadas", refere o director executivo da UNICEF, Anthony Laque, no prefácio do relatório "Committing to Child Survival: A Promise Renewed" ("Compromisso com a sobrevivência infantil: Uma promessa renovada").

Na carta introdutória, Laque refere-se ao caso português como um dos "exemplos notáveis": Entre 1990 e 2011, a taxa de mortalidade das crianças com menos de cinco anos, nascidas em Portugal, diminuiu 77%.

Em 1990, por cada mil nascimentos morriam 15 crianças com menos de cinco anos. No ano passado, o número registado foi de três crianças por cada mil, segundo os dados divulgados no documento.

As principais causas de morte registadas em 2010 foram problemas neonatais (responsáveis por mais de metade dos casos registados), maus-tratos (8%) e pneumonia (1%). Os restantes 38% referem-se a outras situações não especificadas.

Portugal surge na lista da UNICEF referente aos dez países com a mais baixa taxa de mortalidade registada no ano passado, com uma taxa de 3,4 mortes até aos cinco anos por cada mil nascimentos.

O primeiro país da lista (que inclui apenas países com mais de 500 mil habitantes) é Singapura, com uma taxa de 2,6, seguida da Eslovénia, Suécia, Finlândia, Chipre, Noruega, Luxemburgo, Japão e Portugal. A lista termina com a Dinamarca, com 3,7 mortes em cada 1.000 nascimentos.
PARTILHAR

Comentários (13)
  • » Pedro Rebelo, Aveiro, 13-09-2012 16:18

    @Pedro.... é por mil habitantes, i.e. morrem 3,7 em mil.... se nasceram cerca de 97000 então morreram cerca de 97000*3,7/1000=360 se tivessem nascido um 1000000 então morreriam 1000000*3,7/1000=3700..... Ou seja é um valor independente da dimensão dos nascimentos é uma razão entre os que morrem com menos de 5 anos e os que nasceram e fazem 5 anos num dado ano, que por clareza se multiplica por mil.... A actividade dos profissionais de saúde foi muito importante para atingir esse valor, mas, não menos importante, foi a melhoria económica das famílias.... é de prever que venha a cair significativamente com a degradação do poder económico das famílias...
  • » Diaz, Lisboa, 13-09-2012 13:51

    Com certeza temos taxas de mortalidade infantil baixas,não se nasçe crianças por cá! Estamos a envelhecer e a desapareçermos do mapa...
  • » Tom, Lisboa, 13-09-2012 13:19

    Mas será que esta gente não sabe o que significa estatística.. Admirada? estou consigo, com um povo assim não admira o estado em que estamos...
  • » Maria RR, Portugal, 13-09-2012 11:09

    Daqui a uns anos todos esses privilegiados que nasceram vão perceber que, quando chegarem a velhos, não têm assistência hospitar (vêr notícia nesta página)...
  • » infelizmente, sul, 13-09-2012 11:05

    Infelizmente não deve continuar assim com a politica deste governo. Não concordo com os comentários da baixa natalidade . A estatistica é por 1000 crianças nascidas e que continuam vivas aos 5 anos
  • PUB
  • » Anónimo, Em lugar desconhecido, 13-09-2012 10:51

    Não estão a entrar nas estatísticas os bebés que foram mortos intencionalmente. Os bebés indesejados e que foram assassinados por diversas e variadas técnicas de aborto. Nomeadamente, os de nascimento parcial. Os números são bem grandes e já ultrapassam em larga medida os felizardos que não foram assassinados. Depois, enchem a boca com noticias destas. Exemplo notável a todos os níveis, nomeadamente em assassinatos oficiais e legais por Lei. Tenham é vergonha! É a moral elástica no seu melhor.
  • » rtyu, algures, 13-09-2012 10:33

    Como é que pode ser um facto notável? Em Portugal quantas crianças nascem num ano comparado com outros países?
  • » Admirada?, Coimbra, 13-09-2012 10:11

    Sr Pedro, outro que não percebe de Estatística! Por mil nascimentos! É uma relação , não um número absoluto!!!! Bem , vou fechar. Não admira que o país esteja como está. Com estes exemplos de sapiência saloia...temos o que merecemos!
  • » Admirada?, Coimbra, 13-09-2012 10:08

    Não resisto à tentação de responder ao Sr Manuel Gomes, contrariando a minha regra de não entrar em diálogo. Devo dizer-lhe que não percebe nada de Estatística. Devo informá-lo que os cuidados são os adequados, realmente não ao número de nascimentos, que é de fato decrescente, mas à complexidade dos casos que nascem e que é cada vez maior. Se não fosse a melhor formação e assistência dificilmente essas taxas de qualidade seriam atingidos. Tenho pena se o Sr não ler esta msg, porque realmente o est...é o Sr!
  • » Admirada?, Coimbra, 13-09-2012 10:02

    Nós já sabiamos e estamos de parabéns. Claro que tudo isto foi conseguido porque o SNS não funcionava, o pessoal da Saúde são uns funcionários públicos calaceiros e mangas de alpaca que só pensam em dinheiro. Os Pediatras e Neonatologistas, esses então, é melhor nem falar. Vamos esperar os resultados da próxima década e...comparem! Continuem meus senhores que vão no bom caminho.
  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
Torrar, forrar, polir. O negócio doce de quem faz amêndoas



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO