O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Saúde

Casos de tuberculose concentram-se em Lisboa

23 mar, 2011 •  

Em 2010 apareceram em Portugal 22 novos casos para 100 mil habitantes. A incidência da doença baixou para metade em dez anos, revela relatório.

O relatório nacional sobre a tuberculose aponta Lisboa e Vale do Tejo como a região do país onde se concentram mais casos de multi-resistência aos tratamentos e também de tuberculose extensivamente resistente.

Esta última é uma forma detectada em 2006 que é potencialmente incurável com os antibióticos disponíveis. Não é o caso em Portugal, embora os tratamentos sejam em regra mil vezes mais caros e mais demorados.

Desta forma, o bacilo mais grave de tuberculose está agora a infectar pessoas que nunca tiveram a doença, considerada endémica nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

Incidência baixou para metade
A incidência da tuberculose em Portugal baixou para cerca de metade numa década, de 40 novos casos por 100 mil habitantes em 2001 para 22 em 2010, revela um relatório da Direção-geral da Saúde (DGS).

Segundo o relatório para o Dia Mundial da Tuberculose (assinalado a 24 de Março), foram diagnosticados no ano passado 2.559 casos de tuberculose em Portugal, incluindo casos novos e retratamentos.

Factores de risco
As pessoas mais afectadas são os homens dos 35 aos 44 anos e os imigrantes têm quase 3,5 vezes mais probabilidade de contrair tuberculose do que os portugueses.

A infecção VIH/SIDA, o factor de risco mais importante, tem uma prevalência de 11% entre os casos de tuberculose, o que significa um decréscimo do número de doentes para menos de metade nos últimos 10 anos.

A toxicodependência, o alcoolismo, a reclusão e a situação de sem-abrigo são factores importantes de risco para a doença e determinantes para o prognóstico.