O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar SCORPIONS - WIND OF CHANGE Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisSínodoPodcast

Hábitos saudáveis podem prevenir mais de metade dos cancros

Mais do que investir em estatísticas e em investigações científicas, é preciso investir na prevenção do cancro, asseguram especialistas ouvidos pela Renascença. No combate à doença, há uma via incontornável: não cair em excessos e manter uma vida saudável. 
10-04-2012 15:50

O número de casos de cancro entre os portugueses vai aumentar nos próximos anos, garantem oncologistas ouvidos pela Renascença. O envelhecimento da população e a negligência de hábitos saudáveis são os principais motivadores do aumento. Mas, de acordo com um estudo norte-americano, mais de metade das ocorrências pode ser evitada.

Os resultados da investigação, publicada pela revista Science no final de Março, não ficam por aqui. Em declarações à Renascença, uma das autoras da pesquisa, Kathleen Wolin, defende que, a partir dos avanços científicos já realizados na área, está na hora da teoria passar à prática, não só em termos de rastreio e tratamento, mas sobretudo a nível dos comportamentos de prevenção.

"Temos feito um óptimo trabalho em melhorar a forma como tratamos o cancro nos últimos 40 e 50 anos, mas perdemos o foco na prevenção da doença", alerta a oncologista. Kathleen Wolin relembra que "é possível prevenir doenças crónicas", pondo de lado "o estigma de que é impossível curar o cancro".

Apesar do progresso na medicina oncológica, há uma "série de obstáculos", segundo a especialista, a bloquear o caminho da prevenção, não só nos Estados Unidos, mas também na Europa.

Portugueses "iletrados" quanto ao cancro
"A falta de consciência dos cidadãos" em adoptar hábitos saudáveis e "a reduzida intervenção" dos actores sociais e políticos - como o Governo, escolas e associações não-governamentais - na promoção deste tipo de mentalidade são duas das barreiras apontadas pela investigadora norte-americana e por especialistas portugueses.

“Em geral, os portugueses, face ao cancro, são um povo iletrado e com pouca consciência dos malefícios provenientes das atitudes que tomam”, refere o presidente da Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão, António Araújo.

Face à situação, a “vertente de prevenção deve ser claramente reforçada, mas é na área de programas nacionais de saúde e de educação que têm de ser desenvolvidas acções de prevenção” e não apenas através do sector oncológico, defende o presidente do Colégio da Especialidade de Oncologia Médica, Jorge Espírito Santo.

A fórmula
O tabaco, a obesidade e a falta de exercício físico são, segundo o estudo publicado, as principais causas de desenvolvimento de cancro nos Estados Unidos. Portugal não foge à regra.

Os portugueses devem ter em conta que “mais do que a herança genética e mais que outros factores individuais é, de facto, o tipo de comportamento do dia-a-dia que os vai pôr em maior ou menor risco de ter um cancro”, garante o oncologista António Araújo.

“Não consumir bebidas alcoólicas em excesso, fazer actividades físicas com alguma regularidade, evitar a exposição solar excessiva, manter o peso corporal dentro dos valores normais e fazer uma dieta mais rica em frutos, verduras e cereais” são, segundo Jorge Espírito Santo, alguns dos conselhos para prevenir o cancro.

O cancro do pulmão é a tipologia da doença com maior incidência em Portugal. Por ano, morrem em média cerca de 3.800 pessoas vítimas da patologia, dados divulgados pelo Observatório Nacional das Doenças Respiratórias (ONDR).

PARTILHAR

Comentários (2)
  • » Maria Bastos, Évora, 11-04-2012 13:09

    Não é por acaso que temos uma população envelhecida! As pessoas mais velhas, na sua maioria, sempre tiveram uma vida de sacrificio, e com pouca disponibilidade de tempo e dinheiro para vicios. Ainda hoje, vamos constantando, pessoas idosas mas com uma vida activa/ocupacional. Mantêm tarefas de vida diária, cuidam das suas hortas, andam pelo campo na pastagem com os animais. No rosto, vêm-se os sinais do tempo...mas não desistem! Maior parte deles fazem a sua actividade fisica, enquanto desempenham as suas ocupações diárias. Não desperdiçam o seu tempo, sentados horas, nas mesas dos cafés. Também não se desgastam com o STRESS. Provavelmente, nem sabem o seu significado. Aceitando a vida...ainda fazem versos e cantam descontraidamente. Dificilmente, estas pessoas a que me refiro, morrem de cancro...apenas alguns!
  • » Ricardo, Porto, 10-04-2012 18:00

    Muito bom artigo. Mas as vezes muitas pessoas não tem tempo nem a motivação para fazerem algo pela saúde delas. Os horários laborais e o aumento do numero de dias de trabalho também não ajudam para a saúde física e psicológica das pessoas. Algumas são escravas do seu trabalho e não é por opção própria, é mesmo porque não têm outra alternativa. Um dia destes espero ver a equipa toda da renascença a mostrar o exemplo ali na baixa/chiado a fazer estiramentos e a dar umas corridinhas em prol duma melhor qualidade de vida :D.
  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
244 milhões de euros cobrados a mais em IMI



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO