O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar NATALIE IMBRUGLIA - TORN Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisPodcast

Seixal

Andar onde caiu tecto esteve em obras há três anos

Protecção Civil averigua hoje condições de segurança do prédio

Derrocada de uma lage do chão provocou nove feridos ligeiros. Protecção Civil avalia as condições de segurança do prédio.
27-03-2012 11:49
Um morador do prédio do Seixal onde um tecto caiu, na segunda-feira à noite, garante que os residentes do segundo andar (onde caiu o tecto) fizeram obras há cerca de três anos, mas não sabe se a estrutura do prédio foi alterada.

O morador no R/C do número 18, na Rua Dr. Arlindo Vicente, Amélio Alves, conta que o prédio tem perto de 50 anos e que não tem memória de nenhum problema do género.

Desde o acidente, o acesso ao prédio está interdito. Os moradores aguardam pela autorização da Protecção Civil, depois de terem sido retirados do edifício.

As autoridades cortaram a electricidade e o gás, até se proceder à avaliação das condições de segurança do prédio.

Ficaram desalojadas 19 pessoas, nove das quais vão para casa de familiares. As restantes vão ser realojadas pela Câmara Municipal.

A laje da zona da sala do terceiro andar caiu sobre o piso inferior, cerca das 22h30 de segunda-feira, num prédio da Torre da Marinha, no Seixal. Provocou nove feridos ligeiros.
PARTILHAR

Comentários (3)
  • » Seixalino, Seixal, 27-03-2012 16:47

    De que serve comentar no site da "RR" se é exercida censura e os comentários que passam são publicados tarde e más horas?
  • » Seixalino, Seixal, 27-03-2012 16:40

    Antigamente, havia gente que sabia trabalhar. Hoje temos o BiJU que se "enfrasca" com Sagres antes de comentar, sem saber do que opina...
  • » BiJU , seixal, 27-03-2012 14:22

    Eu não sei se o prédio é recente mas o que sei é que antes o pedreiros faziam predios, obras usavam cordas bebiam sagres e as coisas não vinham parar ao chão e duravam. hj em dia é maquinas, é elevadores, é o raio que parta e mariquices, estudos não sei ao quê? Tantos engenhocas de capacete a olhar para cima com desenhos e matematicas e aquilo vem tudo por ai abaixo. Antigamente punham betão, aço, hj em dia metem areia que deve ser da praia para diminuir custos que depois vão dar mais despeza. todas as obras e já temos alguns exemplos andam a cair alguma coisa está mal. o k está mal é que os responsáveis não sabem trabalhar e não querem a opinião dos "escumalhas" que não andaram no ensino superior este é que é o problema. é pena que a escumalha é que anda lá em cima e qdo cai são eles que morrem ou ficam inutilizados porque se caisse em cima do engenhoca que dá as ordens e que recusa a ideia do pedreiro era diferente! talvez tomavam mais atenção aquilo que quem faz realmente a obra diz.
  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
Jornalista Peter Curtis emocionado com esforços para o tirar da Síria



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO