O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Contratação de médicos cubanos é uma "péssima medida de gestão"

19 Ago, 2014

Ordem dos Médicos diz que medida sai mais cara: acordo prevê um valor mensal superior a quatro mil euros, por cada profissional, mas em Portugal um médico de família ganha 2.800 euros.
A Ordem dos Médicos classifica de inqualificável o processo de contratação dos médicos cubanos, que já custou 12 milhões de euros ao Estado português. Em declarações à Renascença, o bastonário questiona porque se paga aos profissionais estrangeiros o dobro do que é pago aos médicos nacionais.

José Manuel Siva considera o acordo uma péssima medida de gestão que sai mais cara. “Temos centenas de médicos especialistas a emigrar, temos milhares de médicos reformados que podiam ser contratactos, temos médicos a sair para o sector privado devido à desqualificação tremenda e às dificuldades do exercício da medicina no Serviço Nacional de Saúde. E a solução para a gravidade destas situações, que o ministro da Saúde preferiu, foi contratar 50 médicos cubanos que representam para o Estado português o dobro da despesa que tem com os portugueses. Isto é absolutamente inqualificavel", sublinha.

O jornal "i", que teve acesso ao acordo de cooperação entre o Portugal e Cuba, refere que os médicos cubanos já custaram 12 milhões de euros ao Serviço Nacional de Saúde. O acordo prevê um valor mensal superior a quatro mil euros, por cada profissional. Em Portugal um médico de família ganha 2.800 euros.

“A divulgação destes documentos vem confirmar o que a Ordem há muito tempo tinha denunciado: o facto de estarem a pagar a médicos cubanos, sem especialidade, valores que são o dobro daquilo que se paga aos especialistas portugueses”, disse José Manuel Silva.

O acordo de cooperação entre Portugal e a empresa estatal Serviços Médicos Cubanos foi revelado pelo jornal após uma queixa na Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos.

A Ordem dos Médicos também já pediu, em tribunal, para ter acesso ao documento, mas ainda aguarda pela decisão judicial.