Festival Intercéltico de Sendim vai ter um círculo de fogo gaiteiro

04 fev, 2013

Concertos de bandas folk de referência europeia, um encontro de pauliteiros da Península Ibérica e de contadores de histórias são outros dos destaques da 14ª edição do FIS. 

O Festival Intercéltico de Sendim (FIS), que decorre no concelho de Miranda do Douro de 2 a 4 de Agosto, apresenta-se ao público com um conjunto de novidades de que se destaca um círculo de fogo gaiteiro.

"O cartaz das actividades paralelas para o 14º FIS está fechado, sendo que uma das novidades passa por um círculo de fogo a gaiteiro, que vai juntar ao longo da noite em torno de uma fogueira, alguns dos melhores instrumentistas nacionais e europeus", disse à agência Lusa o director do FIS, Mário Correia.

A aposta passa igualmente pelo encontro de pauliteiros da Península Ibérica. Mário Correia revela ainda que a última noite do festival será preenchida com música folk e os concertos "gratuitos". 
 
Um encontro de contadores de histórias associados à língua mirandesa e ao castelhano será outros dos "pontos altos" do festival de forma a preservar "o valiosíssimo património imaterial das Terras de Miranda". 
 
Outra das novidades para 14ª edição do FIS será uma sessão de cantos de intervenção, promovida pelo núcleo do Porto da Associação José Afonso na Casa Cultura de Sendim. 
 
A edição 2013 do festival ficará marcada pelos concertos de bandas folk de referência europeia, que são consideradas verdadeiras instituições musicais.
 
"As sonoridades dos concertos no palco principal serão provenientes de bandas oriundas de Pais de Gales, Irlanda, Espanha e Portugal", explicou Mário Correia. 
 
Aqui, acontecem "os concertos improváveis", que juntam os músicos para momentos de liberdade e criatividade musicais, disse. 
 
Encontros de gaiteiros e "gaiteiricos" são também "uma constante", para além das evocações e homenagens a antigos tocadores. 
 
Além disso, o festival é igualmente o momento para o lançamento de discos e de livros ou exibição de filmes relacionados com a "singular cultura mirandesa", bem como para promover passeios pedestres pela região das Arribas do Douro e provas gastronómicas e de vinhos da região.