O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Ouvir Emissão
Acabou de Tocar PAULO GONZO / ANA CAROLINA - QUEM DE NÓS DOIS Acabou de Tocar

Últimas NotíciasPaísMundoPolíticaEconomiaReligiãoCulturaSaúde e CiênciaInfo A-ZEspeciaisSínodoPodcast

Inês Pedrosa defende que Agustina Bessa-Luís tem qualidade universal

O mundo de Agustina

  • Áudio Inês Pedrosa defende universalidade da obra de Agustina

Festival Literário da Madeira passou a reportagem “O Mundo de Agustina”, da Renascença, sobre a escritora.
15-03-2012 21:00 por Maria João Costa

“Agustina Bessa-Luís é uma escritora de qualidade universal que Portugal ainda não soube levar ao mundo”, disse a escritora Inês Pedrosa na abertura do Festival Literário da Madeira.

"Agustina criou um universo só seu e em que cada um de nós está representado. É, sem qualquer favor, uma escritora de qualidade universal. Pena que Portugal não tenha sabido até agora levá-la ao mundo, fazer esforços para que as suas obras tenham internacionalização que merece e que tanto honraria o país. Leiam-na se querem entender a inesgotável riqueza da natureza humana. Leiam-na, hão de rir até às lágrimas e de aprender a rir, mesmo chorando, o que não é coisa pouca", disse.

Inês Pedrosa lamentou que as obras de Agustina estejam hoje fora dos programas escolares. “Sibila”, que chegou a ser de leitura obrigatória dos alunos portugueses, - confessa a escritora - não foi a obra mais fácil que leu. Haveria outras mais convidativas para entrar no universo de Agustina.

"'Fanny Owen', história breve e intensa de amores juvenis deveria ser, na minha opinião, a introdução escolar a Agustina, mas ouvi dizer que agora até a expulsaram da escola. Por ser difícil? Os livros de Agustina exigem muito dos seus leitores, mas não pregaminhos académicos, exigem alma, coisa que hoje se considera ouco económica e inútil para o sucesso".

Na conferência de abertura do Festival Literário da Madeira, Inês Pedrosa recordou o azul da caneta de Agustina, a gargalhada da escritora e falou também da lucidez do seu pensamento. "Desiludir com mérito e todo um programa filosófico revolucionário num país habituado a iludir-se sem brio. Com Agustina aprendemos a ultrapassar os muros da desilusão e ver além deles. Entender os nossos limites sem nos resignarmos a eles. Trata-se de uma pensadora de todas as coisas por pensar". 

Neste primeiro dia de Festival, em que foi também exibido a reportagem da Renascença “O universo de Agustina”, a autora de “A Corte do Norte”, passada na Madeira, esteve no centro das atenções e lembrou que há ainda muitas obras de Agustina por publicar, nomeadamente as suas muitas crónicas.

PARTILHAR

  • PUB

Deixe aqui o seu comentário relativo a este artigo. Todos os comentários estão sujeitos a mediação.

Tem 1500 caracteres disponíveis

Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.


Entrar Renascença V+
"Estou cansado de falar". Papa recebe vítimas do naufrágio de Lampedusa



INFORMAÇÃO      BOLA BRANCA      PROGRAMAÇÃO      MÚSICA      MULTIMÉDIA      OPINIÃO