Mesão Frio. Castro de Cidadelhe vai ter núcleo interpretativo

28 abr, 2015 • Olímpia Mairos

O antigo povoado fortificado de Mesão Frio foi alvo de uma intervenção de 600 mil euros que incluiu o restauro das muralhas e a construção de um centro interpretativo. Inauguração marcada para quinta-feira.
Mesão Frio. Castro de Cidadelhe vai ter núcleo interpretativo
O recém-construído Núcleo Interpretativo do Castro de Cidadelhe, em Mesão Frio, é inaugurado na quinta-feira, no Água Hotels Douro Scala, localizado em pleno Património Mundial da Humanidade.

De acordo com um comunicado da Direcção Regional de Cultura do Norte (CDRN), o núcleo visa “dotar os visitantes de informação mais precisa e detalhada sobre o povoado, tendo como objectivo último a sua divulgação e preservação”.

O Núcleo Interpretativo foi construído ao abrigo de uma candidatura ao programa comunitário ON.2, no valor de 600 mil euros, que contemplou, ainda, “uma intervenção a nível da delimitação física do castro, trabalhos de conservação e restauro das respectivas muralhas, trabalhos de arqueologia e a edição de um guia bilingue, que vai ser apresentado durante a inauguração”.

Esta intervenção inseriu-se num projeto público-privado mais vasto, que abrangeu a construção do hotel de cinco estrelas, que juntou a DRCN, a Câmara de Mesão Frio e a empresa Prata Parque Imobiliária.

Classificado como imóvel de interesse público em 1992, o Castro de Cidadelhe é propriedade do Estado e está afecto à CDRN. Ergue-se no cimo de uma colina situada nas imediações da localidade que lhe deu o nome e cuja fundação será anterior à de Mesão Frio.

Trata-se de um povoado fortificado que apresenta duas cinturas de muralhas pré-romanas, uma à volta da acrópole e a outra exterior, com quatro metros de largura e cinco a seis metros de altura.

Naquele espaço, restam diversos muros da época romana e uma torre quadrangular medieval, construída sobre um estrato de saibro que cobre várias estruturas habitacionais pré-romanas.