“Faltam sacerdotes”, diz D. Manuel Clemente

23 abr, 2015 • Filipe d’Avillez

O Patriarca de Lisboa escreveu uma carta aos católicos de Lisboa em que pede orações pelas vocações, bem como abertura ao chamamento de Deus.  
“Faltam sacerdotes”, diz D. Manuel Clemente
ordenações
D. Manuel Clemente diz que faltam sacerdotes à Igreja Católica.

Numa carta escrita a todos os fiéis do Patriarcado a pedir que rezem pelas vocações à vida religiosa.

“Trata-se de algo fundamental e que nos compromete a todos. Porque faltam ministros ordenados, especialmente sacerdotes, para servirem as comunidades como sacramentos visíveis de Cristo Pastor; e porque faltam irmãos e irmãs que, pelos votos e pela vida, sejam sinais convincentes do absoluto de Deus e da entrega total ao seu serviço”, escreve o Patriarca, a propósito do 52º dia de oração pelas vocações, que se assinala a 26 de Abril.

Dados recentes revelados pela Igreja Católica mostram que tem havido um crescimento global do número de padres e religiosos, embora isso não se aplique à Europa, onde a realidade tem sido a inversa.

D. Manuel lamenta que se tenha diluído, entre os fiéis, “a dimensão vocacional da existência cristã.”

“Na sensibilidade comum, a vida é encarada mais como realização à escolha do que como resposta a um apelo de Deus e dos outros, que nos esperam. Mais como da vida para mim, insaciavelmente, do que de mim para a vida do mundo, disponivelmente. E o pior é que ficamos tristes por não termos tudo, quando só seríamos felizes se nos fizéssemos tudo para todos, segundo a vontade de Deus”, diz ainda.

Por fim, o Patriarca questiona até que ponto os jovens católicos e as suas famílias têm abertura para acolher o chamamento de Deus: “Quantos dos nossos adolescentes e jovens são estimulados a ouvir o chamamento divino, que lhes indicaria o que Deus espera deles e absolutamente os realizaria?”

Segundo os dados do anuário da Igreja Católica, divulgados na semana passada, há mais de 415 mil padres em todo o mundo, um aumento de 2,2% nos últimos 10 anos.

O crescimento desde 2005 é mais acentuado em dois continentes, África (+29,2%) e Ásia (+22,8%), em contraste com a quebra de 7,1% na Europa e de 10,4% na América do Norte.

Em relação a Portugal, a mais recente edição do ‘Anuário Católico de Portugal’ revela uma quebra no número de sacerdotes: de 2880 padres diocesanos no ano de 2007 para 2661 em finais de 2011, menos 7,6%.