|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Papa pede ajuda para os Balcãs

21 mai, 2014

No final da audiência, Francisco também pediu orações pelos católicos chineses, que dia 24 celebram a festa da sua padroeira, Nossa Senhora Auxiliadora dos Cristãos.

Papa pede ajuda para os Balcãs
Papa pede ajuda para os Balcãs
O Papa Francisco falou, esta quarta-feira, das cheias que atingiram a região do Balcãs e apelou à ajuda internacional, durante a audiência-geral, no Vaticano. Francisco convidou os peregrinos a rezar pelas vítimas da intempérie e disse esperar que a ajuda chegue depressa.
O Papa Francisco falou, esta quarta-feira, das cheias que atingiram a região do Balcãs e apelou à ajuda internacional, durante a audiência-geral, no Vaticano.

Francisco convidou os peregrinos a rezar pelas vítimas da intempérie e disse esperar que a ajuda chegue depressa: “O meu pensamento vai agora para as populações da Bósnia Herzegovina e da Sérvia, duramente atingidas por inundações, com perda de vidas humanas, numerosos feridos e danos materiais. Convido-vos a juntarem-se à minha oração pelas vítimas e por todas as pessoas afectadas por esta calamidade. Que não falte a estes nossos irmãos a nossa solidariedade e a ajuda concreta da comunidade internacional”.

No final da audiência, pediu também orações pelos católicos chineses, que, sábado, vão celebrar a festa da sua padroeira, Nossa Senhora Auxiliadora dos Cristãos.

Francisco referiu-se ainda à visita que vai fazer à Terra Santa, a partir de sábado. Esta “viagem à terra de Jesus”, sublinhou o Papa, será uma peregrinação “estritamente religiosa”, com dois objectivos: assinalar os 50 anos do encontro de Paulo VI com o então Patriarca Atenágoras, de Constantinopla, e rezar pela paz “naquela Terra que sofre tanto”.

“Peço-vos que rezem por esta viagem”, disse o Papa sua intervenção final.

Prosseguindo o ciclo de catequeses que tem vindo a desenvolver, às quartas-feiras, sobre os dons do Espírito Santo, o Papa Francisco falou do “dom da ciência”, sublinhando a beleza do mundo criado, que há que respeitar e defender, sem violentar.