|

Portugal estuda compra de aviões usados a Espanha para combater fogos

26 mar, 2014 • Celso Paiva Sol

A Renascença sabe que em cima da mesa de Miguel Macedo está a hipótese de comprar a Espanha aviões Canadair em segunda mão.

O Governo pondera comprar aviões usados de combate a incêndios, em vez dos novos Canadair que o ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, admitiu adquirir.

A Renascença sabe que em cima da mesa de Miguel Macedo está a hipótese de comprar a Espanha aviões Canadair em segunda mão.

Por se tratarem de aviões usados, Portugal poderá comprar mais do que os dois inicialmente pensados.

Actualmente, os meios aéreos próprios do Estado são compostos por cinco helicópteros pesados Kamov e três helicópteros de transporte e utilitário.

Reforço de verba
Este ano, o combate a incêndios irá custar 85 milhões de euros, uma verba superior à que foi gasta no ano passado.

O plano de combate a incêndios, que foi apresentado esta quarta-feira, incluiu mais 250 bombeiros e também mais quatro meios aéreos.

A época mais crítica em incêndios florestais, que vai decorrer entre 1 de Julho e 30 de Setembro, vai este ano contar com 2.220 equipas das diferentes forças envolvidas, 9.697 elementos, 2.027 veículos e 49 meios aéreos, segundo o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF), apresentado esta quarta-feira.

O ministro da Administração Interna mostrou-se cauteloso em relação à solução a adoptar para a aquisição de aviões para o Estado.

Depois de ter dito, recentemente, que estava a estudar a compra de dois Canadair para combate a incêndios, esta quarta-feira, Miguel Macedo deixou entender que a solução poderá ser outra.

“Estamos a ponderar uma situação de reforço de meios próprios do país para futuro, mas ainda não está concluído esse processo. Não está decidido que vamos adquirir, estamos a estudar. Eu recebi na sexta-feira um dossiê sobre esta matéria, preciso de algum tempo para ver com cuidado”, referiu Miguel Macedo.