|

D. José Policarpo diz que Estado não consegue satisfazer todas as reivindicações

27 out, 2013

Patriarca emérito de Lisboa criticou ainda as todas as oposições, que não apresentam soluções.

O patriarca emérito de Lisboa, D. José Policarpo, criticou este domingo, em Setúbal, aqueles que, apesar da crise, reagem como se o Estado “pudesse satisfazer as suas reivindicações”.

"Parece que ninguém sabe que Portugal está numa crise e dá a ideia que todos reagem como se o estado pudesse satisfazer as suas reivindicações", disse o patriarca emérito de Lisboa, mostrando-se convicto de que o Governo não tem condições para satisfazer as reivindicações dos sindicatos e partidos da oposição.

D. José Policarpo criticou ainda as oposições: "Não encontrei ninguém das oposições - todas elas - que apresentasse soluções. E se falhasse este mecanismo da economia liberal [apoio financeiro no âmbito do pedido de resgate], Portugal só teria dinheiro para mês e meio", frisou, acrescentando que, nesse cenário, "não haveria dinheiro para pagar salários e pensões".

"Se todos pusessem em primeiro lugar o bem comum e fizessem qualquer coisa que ajudasse a resolver o problema, estou convencido de que isto nos custava metade do preço e do sofrimento", disse, acrescentando que estamos todos a pagar os erros cometidos com a especulação financeira em prejuízo das economias ocidentais.

O patriarca emérito de Lisboa falava a cerca de duas centenas de pessoas na Conferência "Caridade é a fé em acção", promovida pelo Secretariado da Acção Social e Caritativa da Diocese de Setúbal, integrada nas celebrações do Ano da Fé.